Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Noblat

Por Coluna
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A Personalidade Autoritária

Psicanálise da Vida Cotidiana

Por Carlos de Almeida Vieira
Atualizado em 30 jul 2020, 20h26 - Publicado em 6 jun 2018, 16h00

Em seu livro The Authoritarian Personality (Personalidade Autoritária), Theodor Adorno, pensador e filósofo da Escola de Frankfurt, escreveu: “Padrões de personalidade que foram rejeitados por serem ‘patológicos’ porque não combinavam com as tendências mais comuns e manifestas ou os ideais mais prevalentes numa sociedade, numa análise mais profunda mostraram ser nada mais do que manifestações exageradas daquilo que era quase universal sob a superfície daquela sociedade. O que hoje é ‘psicológico’ pode, com a mudança nas condições sociais, tornar-se a tendência dominante de amanhã”.

Note-se que isso foi escrito em 1950, e o amanhã chegou à maioria das nações, inclusive na nossa, com as notícias e ameaças noticiadas na mídia sobre o risco de mudanças autoritárias de regime. Nossa imberbe Democracia está a cada dia mais em riscos. É preciso que os jovens tenham ideia do que é a Ditadura em todos os sentidos, inclusive a Ditadura dos Partidos Políticos.

Outro dia, um grande amigo meu após ler uma matéria que publiquei, alertou para a necessidade de escrever algo sobre o que ele chamou de “síndrome de infantilismo e dependência do brasileiro”. Pensei, pensei, e ocorreu-me que somos filhos legítimos da “Colonização”, ato contínuo, somos ainda um povo que tem em sua personalidade uma tendência a ser “colonizado”. Fomos por Portugal(deveríamos ter ficado com os holandeses?); logo após vivemos a escravatura de um Império; importamos sempre os modelos estrangeiros; colonizados fomos também pelas ditaduras e colonizados ainda somos por uma sociedade capitalista selvagem que vive e sobrevive da exploração humana.

Quando teremos a coragem de nos libertar da dependência patológica ao Estado? O infantilismo de uma pessoa, do social ou de uma sociedade, perpetua uma condição na qual as soluções virão sempre dos “nossos pais”. Mas, “nossos pais”, é bom lembrar, transferimos esse modelo para os “salvadores da pátria”, para os ditadores, partidos políticos e todos eles não nos asseguram que estão preocupados em colaborar com o crescimento dos “filhos”.

Continua após a publicidade

E aí? O que nos resta? Desenvolver nossos próprios recursos, assumir nossas responsabilidades sociais, termos a coragem de Ser e não de Parecer-ser; caso contrário, continuaremos filhos do fundamentalismo distribuído entre os vários poderes instituídos. “Quando instituições(pais, igreja, família ou lei) caem aos pedaços, comumente é o mais fraco que sofre”. Bela reflexão feita por Stuart Jeffries em seu recente livro traduzido Grande Hotel Abismo – A Escola de Frankfurt e seus Pensadores, editado nesse ano pela Companhia das Letras.

Carlos de Almeida Vieira é alagoano, residente em Brasília desde 1972. Médico, psicanalista, escritor, clarinetista amador, membro da Sociedade de Psicanálise de Brasília, Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo e da International Psychoanalytical Association

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.