Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Murillo de Aragão Por Murillo de Aragão

Um roteiro em busca de um ator

A terceira via tem eleitor e tem candidatos, mas nada acontece

Por Murillo de Aragão Atualizado em 8 abr 2022, 10h21 - Publicado em 9 abr 2022, 08h00

Hoje, ao contrário de 2018, há uma narrativa antipolarização que está se esvaindo por falta de voz. Ou seja, existe agora um eleitorado que, mesmo fragmentado e sem um nome que o represente, acredita haver uma opção além do presidente Jair Bolsonaro (PL) e do ex-presidente Lula (PT), pré-candidatos que lideram a polarização. Ao mesmo tempo, porém, a terceira via ainda não conseguiu se materializar em um candidato ou em uma agenda propositiva. Um aspecto que atrapalha essa construção é a ausência de um entendimento interno entre os partidos que se propõem a construir essa via alternativa.

Como consequência, o candidato da terceira via, que poderia surgir da aliança entre PSDB, MDB e União Brasil, entre outros, precisará gerenciar várias divisões internas. O PSDB, independentemente de quem vença a batalha no ninho tucano — João Doria ou Eduardo Leite —, sairá dividido do processo. O MDB, por ser historicamente uma legenda mais regional do que nacional, já estará naturalmente fragmentado, enquanto o União Brasil terá dificuldades para conciliar os interesses das alas do ex-PSL e do ex-DEM.

A pergunta essencial é a seguinte: se a terceira via tem um eleitorado em potencial, por que ele não se manifesta em favor de um candidato que, digamos, poderia ter nos dias de hoje uns 15% da preferência? Tal porcentagem seria resultado da soma dos que escolhem outros candidatos, fora da polarização, ou que não têm candidatos. A pergunta fica sem resposta, visto que, no limite, existe o eleitorado e existem vários candidatos disponíveis. Mas nada acontece. Por que não deu “match”? Duas direções se apresentam para a terceira via, ambas difíceis.

“O processo eleitoral tem sido dirigido pela rejeição, mas a partir de maio o debate será mais consequente”

A primeira seria um arranjo top down das legendas em torno de um candidato. Há quem queira um arranjo desse tipo tendo Eduardo Leite como líder da coligação PSDB-União Brasil-­MDB. Resta saber como colocar de pé tal arranjo deixando João Doria pelo meio do caminho. A outra direção implicaria que algum dos candidatos da terceira via — hoje limitados a três nomes: João Doria, Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB) — começasse a se descolar nas pesquisas de intenção de voto e a empolgar o eleitorado.

Existem movimentações sub-reptícias e discretas a partir da crença de que será competitivo qualquer nome que obtenha o apoio de três ou quatro dos partidos de centro — a saber: PSDB, União, MDB e PSD. Desde que, evidentemente, o seu nome não tenha sido manchado pela Lava-Jato. E desde que se trate de uma candidatura ágil e agressiva o suficiente para desconstruir os pontos fracos dos demais candidatos.

Em 2018, a essa altura dos acontecimentos, a polarização estava praticamente dada. Hoje, temos parcela do antibolsonarismo abrigada no lulismo, mas sem a convicção de que ele seja a opção adequada. Outros vão para o bolsonarismo por convicção. Alguns vão por horror ao petismo. Até agora o processo tem sido dirigido pela rejeição. Porém a eleição será em dois turnos e, a partir de maio, o debate passa a ser mais consequente. Os resultados das pesquisas de hoje podem não ser os que vão prevalecer adiante.

Publicado em VEJA de 13 de abril de 2022, edição nº 2784

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês