Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Murillo de Aragão Por Murillo de Aragão

O que pode mudar

Apesar do favoritismo, não se pode afirmar que Lula já venceu

Por Murillo de Aragão Atualizado em 20 fev 2022, 08h05 - Publicado em 20 fev 2022, 08h00

Neste momento, meados de fevereiro, a disputa presidencial se dá em torno de duas narrativas. A do ex-presidente Lula (PT) e a do presidente Jair Bolsonaro (PL), que pontificam com suas visões de mundo canalizando, majoritariamente, as preferências do eleitorado. As demais opções aparecem apenas como lampejos de esperanças. No entanto, nem tudo é o que parece. Não se pode afirmar que Lula será o próximo presidente do Brasil, ainda que seu favoritismo hoje seja inequívoco.

Basicamente, por algumas razões. A primeira é que Lula continua a abordar temas que afastam setores do eleitorado menos corporativistas e esquerdistas. Temas que já estão superados e que só agradam ao seu eleitorado cativo, que está longe de ser majoritário. Lula, assim como Bolsonaro, precisa de votos de eleitores que não são afeitos a temas de natureza ideológica e buscam solução para problemas concretos do dia a dia. A segunda razão é que o brasileiro ainda não está tão preocupado com as eleições quanto a imprensa quer fazer crer. Para o cidadão comum, há mais coisas em que pensar neste momento do que no próximo presidente da República. No momento, os desafios da vida são mais urgentes para a maioria do que uma reflexão aprofundada sobre as eleições.

“Para o cidadão comum, há mais coisas em que pensar neste momento do que no próximo presidente”

A terceira questão, pouco destacada na imprensa especializada, é que, nas pesquisas espontâneas de intenção de voto, o ponteiro Lula aponta, em média, para 35%. Já Bolsonaro aparece com 23% da preferência. No tracking que a Atlas Intel promove em parceria com a Arko Advice, a diferença se revelou ainda mais intrigante nas últimas semanas. Lula aparece com cerca de 44%, e Bolsonaro, com cerca de 36%. A distância entre ambos não é impossível de ser superada. Vale destacar que Jair Bolsonaro, mesmo com elevada rejeição, mantém uma intenção de voto relevante que pode ser turbinada por iniciativas do governo.

O quarto ponto que abordo está no fato de que, no momento, ainda é elevado o número de eleitores que não querem nem Lula nem Bolsonaro. Cerca de 14% do eleitorado se divide entre os demais candidatos e aproximadamente 25% do eleitorado ainda não escolheu em quem votar. É um espaço robusto para a ocorrência de surpresas. Em especial se os candidatos se unirem ou um novo nome aparecer na disputa. Também merece atenção o fato de que teremos a propaganda partidária sendo exibida na televisão nos próximos meses. Ainda que o Tribunal Superior Eleitoral tenha proibido o uso do espaço para divulgar candidaturas, ele será utilizado para colocar questões eleitorais que podem afetar o desempenho dos ponteiros.

É fato que, entre março e outubro, ocorrerá uma sucessão de eventos com potencial político relevante. A saber: janela partidária para deputados mudarem de partido; desincompatibilização de ministros e governadores que disputarão as eleições; debate sobre federação de partidos; propaganda partidária no rádio e televisão; e as convenções partidárias. Considerando o calendário, os fatores apontados e a certeza de que o acaso sempre aparece para contrariar as previsões, a corrida eleitoral está longe de definida.

Publicado em VEJA de 23 de fevereiro de 2022, edição nº 2777

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês