Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Murillo de Aragão

Por Murillo de Aragão
Continua após publicidade

Influência é o poder sutil

Ela pode moldar crenças, comportamentos e decisões

Por Murillo de Aragão Atualizado em 3 jun 2024, 17h19 - Publicado em 10 mar 2024, 08h00

Milhões de pessoas disputam, diariamente, a atenção nas redes sociais. Celebridades exibem suas dores e seus triunfos. Artistas procuram a mídia para expor preferências sexuais ou opiniões políticas quase sempre rasteiras, além de divulgar a sua arte, que nem sempre é tão nobre assim. Todos disputam atenção, likes e curtidas.

Nesse contexto, a influência se consagra como a expressão de poder hoje mais significativa e não violenta na arena política. Essa força sutil, mas profunda, tem o poder de moldar crenças, comportamentos e decisões sem recorrer à força nem à coerção, tornando-se essencial para a negociação, a persuasão e a liderança.

A influência ganha especial relevância em um ambiente político cada vez mais polarizado. No entanto, a narrativa que embala a mensagem importa mais do que o conteúdo, e essa é uma característica marcante dos nossos tempos.

Com a ascensão das massas como elemento político vital no século XX, a importância da influência para contê-las ou direcioná-las cresceu exponencialmente. E a tecnologia da comunicação ajudou enormemente no processo de mobilização e de engajamento das massas populares.

Continua após a publicidade

“Com as redes sociais, políticos vão cada vez mais agir como aspirantes a celebridades”

Paralelamente à emergência das massas enquanto fenômeno político-social, esse avanço das tecnologias de comunicação deu origem à economia da atenção, cujo destaque foi dado por Herbert Simon, prêmio Nobel de Economia de 1978. De acordo com esse conceito, a atenção das pessoas é recurso escasso e valioso. Isso é ainda mais perceptível nos dias de hoje, diante da enxurrada de informações existentes na internet e nas mídias digitais.

Assim, empresas e anunciantes batalham pela atenção dos consumidores, buscando capturá-la e retê-la ao máximo para moldar comportamentos, fomentar o engajamento e, consequentemente, maximizar lucros.

Continua após a publicidade

As estratégias da economia da atenção permearam o domínio político, intensificadas nas últimas décadas pelas redes sociais e pela proliferação de fake news e, mais recentemente, com os deepfakes.

Consolida-se, assim, uma situação na qual os eleitores, em especial em países como o Brasil, tendem a ser cada vez mais bombardeados por ações midiáticas na busca incessante por atenção. E os políticos vão, cada vez mais, agir como aspirantes a celebridades ou até mesmo como celebridades propriamente ditas.

As campanhas políticas tendem, portanto, a prolongar-se no âmbito digital. Um candidato eleito deverá começar a fazer a sua campanha no dia seguinte à posse, por meio dos instrumentos da economia da atenção e mediante a espetacularização do seu mandato. Tal fato tem nos levado para uma política mais centrada na imagem e na percepção pública do que na substância e na implementação de políticas eficazes.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 8 de março de 2024, edição nº 2883

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.