Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Mundialista Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Vilma Gryzinski
Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Qualquer um pode ser enganado

Mas o desejo de lucro fácil aumenta a chance, como no caso da FTX

Por Vilma Gryzinski
27 nov 2022, 08h00

“Sou um príncipe nigeriano e tenho 12 milhões de dólares para receber do governo…” Quantas vezes esse golpe foi aplicado? E quantas pessoas continuam a cair nele? É exasperador avisar parentes todo dia para não acreditar em quantias de dinheiro que despencam do céu — ou do WhatsApp — e vê-los perguntar, com um fundo de esperança no olhar, se poderia ser verdade que têm um precatório a receber, só precisam pagar uma taxa a uma bondosa advogada que está fazendo de tudo para ajudá-los. O desejo de ganho fácil é um motor poderoso, mas o pesquisador americano Paul Zak, que criou um ramo de estudos chamado neuroeconomia (seria um santo remédio para muitos políticos), acredita que temos uma vulnerabilidade adicional: nosso cérebro é programado para retribuir a confiança que nos é oferecida. Aí reside a vulnerabilidade que os golpistas exploram magnificamente; mostram ter confiança em nós. Por que outro motivo o príncipe nigeriano escolheria justamente você?

“O cérebro é programado para retribuir a oferta de confiança. Essa vulnerabilidade é usada por golpistas”

E quanto mais absurdo o golpe, mais tende a comover o alvo. Isso se vê de maneira quase inacreditável na falência da FTX, a empresa que operava intermediava a compra de criptomoedas e chegou a valer 32 bilhões de dólares. De bermudão, camiseta e tênis, seu jovem criador, Sam Bankman-Fried, deveria fazer qualquer um tremer antes de colocar o rico dinheirinho nas mãos de um descabelado com menos de 30 anos e estilo de vida heterodoxo. Numa cobertura de 30 milhões de dólares nas Bahamas, ele e oito executivos e executivas da mesma faixa etária trabalhavam, comiam, usavam drogas e eventualmente dormiam juntos. Bankman-Fried admitiu sem nenhum constrangimento que a conversa sobre mudar o mundo e desmudar o aquecimento global, entre as causas para as quais contribuía, era só para dar às pessoas o que elas queriam ouvir.

Música para os ouvidos também foi o que moveu investidores a pôr dinheiro na startup Theranos e seu supostamente inovador dispositivo para fazer exames de sangue com uma simples picada no dedo e resultados imediatos. Elizabeth Holmes tinha 19 anos quando fundou a empresa de biotecnologia e chegou a valer 4,5 bilhões de dólares. Virou série de televisão quando a casa, fraudulenta, caiu. Na vida real, a sedutora golpista foi condenada a onze anos de prisão, numa sentença que coincidiu com as estarrecedoras informações sobre a total falta de controle na FTX. Antes da queda, Bankman-Fried levou para palestras nas Bahamas personalidades do nível de Bill Clinton e Tony Blair, prestou depoimento ao Congresso americano e atraiu para campanhas de promoção famosos como Gisele Bündchen e seu ex-marido, Tom Brady.

Continua após a publicidade

O pesquisador Paul Zak fez uma complexa experiência que envolvia dar doses de oxitocina, o hormônio do bem-­estar e do afeto que atinge o ápice quando as mulheres têm filhos, a voluntários colocados em situações que demandavam confiar num desconhecido a quem seria mandada uma quantia em dinheiro, contando com uma retribuição. Conclusão: a oxitocina reduz o medo de confiarmos em estranhos. Os príncipes nigerianos devem saber disso e até ter um bom negócio com aparelhos para medir o confiômetro. Basta pagar um pequeno adiantamento e…

Publicado em VEJA de 30 de novembro de 2022, edição nº 2817

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.