Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Vilma Gryzinski Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O império não acabou

A incompetência da retirada do Afeganistão tem peso relativo

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 27 ago 2021, 11h06 - Publicado em 27 ago 2021, 06h00

No movimentado ano 400 da Era Cristã, o comandante-chefe dos Exércitos romanos, Flávio Estilicão, um vândalo por parte de pai — no sentido étnico, embora pela força da profissão também gostasse de quebrar coisas —, retirou as tropas sob seu comando da distante e complicada Britânia. Tinha assuntos mais sérios a tratar, como as invasões dos godos de Alarico que redundariam, uma década depois, no grande saque de Roma. A província britânica não era exatamente uma joia fulgurante na coroa de Roma, mas o início da retirada romana marcou o arco histórico que levaria, em menos de um século, ao fim do Império Romano do Ocidente.

Pela grandeza, pela extensão, pela influência cultural e política, e até pela águia com um feixe de flechas numa das garras, um dos vários símbolos copiados do mais glorioso império da Antiguidade, os Estados Unidos são tradicionalmente comparados a Roma. E não faltam analistas que veem agora na espantosamente malconduzida retirada do Afeganistão a prova que faltava do declínio do império americano. Há um tanto de exagero e outro de wishful thinking, ou expressão de desejo, nos prognósticos sobre o fim próximo da maior superpotência da história. Os EUA continuam a ser a força dominante em matéria de tecnologia, ciência, finanças, poderio bélico e soft power. Sejam as massas destituídas, sejam os programadores bem instruídos, é para a América que as pessoas continuam querendo ir fazer a vida.

“O establishment político, diplomático e militar tem se comportado de maneira patética”

Mas o poder das imagens não deve ser subestimado. O estado de aturdimento demonstrado pela cúpula americana com a rapidez da ascensão do Talibã e os danos autoinfligidos por uma retirada catastroficamente planejada refletem uma falência sistêmica. Não é apenas Joe Biden que parece intimidado e perdido — além de muito mais gravemente comprometido com uma visão alternativa da realidade do que era Donald Trump. Todo o establishment, político, diplomático e militar, tem se comportado de maneira patética, talvez o mais cruel dos adjetivos. Os países que funcionam se governam sozinhos e, quando a elite dirigente escorrega, o desgoverno parece mais chocante.

Embora seja considerado superado e até arcaico, Edward Gib­bon continua a ser o autor da melhor definição sobre o declínio do império romano, cirurgicamente escrutinado na sua obra monumental. “O declínio de Roma foi o efeito natural e inevitável da grandeza imoderada. A prosperidade alimentou o princípio da decadência; a causa da destruição multiplicou-se com a extensão da conquista; e, tão logo o tempo e o acaso removeram os apoios artificiais, o estupendo tecido cedeu à pressão do próprio peso.”

O mundo com o esgarçamento do “estupendo tecido” do império americano é mais fragmentado e menos ordenado. E prontinho para ser progressivamente deglutido pela China.

Adendo: como era de praxe, Flávio Estilicão foi decapitado por um aspirante a usurpador do trono imperial e passou para a história como um fracassado praticante da realpolitik, tendo sido o homem que “perdeu” a província que eventualmente criaria um império mais extenso do que o romano. O julgamento de Joe Biden e sua pequenez imoderada pode reservar uma sentença mais dura.

Publicado em VEJA de 1 de setembro de 2021, edição nº 2753

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês