Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Mundialista

Por Vilma Gryzinski Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Incompetência salva a Bolívia da insanidade de um general golpista

Várias unidades “demoraram a chegar”, disse o general Zúñiga, sem explicar se foi por logística ou por ambivalência em relação ao objetivo

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 27 jun 2024, 06h50 - Publicado em 27 jun 2024, 06h36

Cenas inacreditáveis ocorreram em La Paz. Um ministro, Eduardo del Castillo, esmurrou e chutou um tanque, gritando “General!”, referindo-se ao agora ex-comandante do Exército Juan José Zuñiga – sem resposta. O presidente Luis Arce enfrentou na garganta o rebelado. “Recolha a polícia militar de volta ao quartel, general. É uma ordem. Não vai me ouvir?”.

O general que havia dito, em linguagem de caserna, que o “Exército tem ******* para velar sobre o futuro do nosso povo” e impedir que “continuem fazendo o que lhes dá na cabeça”, acabou recuando.

Leia também: Tentativa de golpe na Bolívia fracassa com recuo de tropas e general preso

Faltou apoio, um problema atribuído a falhas logísticas, segundo seu depoimento à polícia. A parte corporal mencionada por Zuñiga também não parece ter tido um papel proeminente.

Continua após a publicidade

“As unidades de Viacha demoraram a chegar, também o pessoal da Força Aérea e da Marinha não pode chegar, já que se decidiu que o levante aconteceria na quarta-feira, 26 de junho, às 11 horas”.

Note-se que a Bolívia tem Marinha, mas não tem mar, um assunto de alta sensibilidade num país de tantos recursos naturais, mas agora enfrentando uma queda pronunciada na produção de gás vendido para o Brasil e a Argentina.

“MITÔMANO” E “DEMAGOGO”

Zuñiga tinha comandados para arrombar os portões do Palácio Queimado, esse nome tão característico da era dos golpes contínuos, mas não para levar a aventura até o fim.

Continua após a publicidade

A briga, mais do que com o presidente, conhecido universalmente como Lucho, era com Evo Morales, proibido pela Suprema Corte de se candidatar de novo, um detalhe que não o impede de fazer campanha. Ele e Lucho estão em guerra pelo controle do Movimento Para o Socialismo, MAS em espanhol, e, resumidamente, pelo poder.

Morales havia acusado o comandante do Exército de planejar assassiná-lo. Zuñiga reagiu chamando-o de “mitômano”, “demagogo” e “traidor”.

“Está em sua natureza a mentira, o insulto, a traição, a hipocrisia, realmente é um personagem baixo para nosso país. Que pena que tenhamos tido esse tipo de autoridades durante 14 anos”.

Continua após a publicidade

Deu choque e ele se rebelou contra a ordem de demissão.

PAÍS POBRE

A era do “milagre boliviano”, comandando justamente por Lucho, que é economista formado na Inglaterra, quando foi presidente do Banco Central e integrou o ministério de Evo, já passou. A Bolívia continua a ser um país pobre, com apenas 3 600 dólares de renda per capita, apesar da distribuição de benefícios durante o boom das commodities.

O golpe fracassado – um lembrete dos 190 levantamentos e revoluções ocorridos desde que o país se tornou independente, em 1825 – foi um intervalo na briga entre Lucho e Evo.

Continua após a publicidade

O bolivariano tem liderança para provocar grandes manifestações da população indígena que o vê como um dos seus. Na definição de Zuñiga, sabe como “explorar a inocência das pessoas da área rural”.

“Está sendo gerada uma crise, uma psicose, a população está sendo bombardeada com desinformação, está sendo confundida e atemorizada”, afirmou, usando a terminologia atual para justificar intervenções.

ACABOU A AVENTURA

Agora o general tem que se preocupar com sua própria defesa. Foi mostrado e humilhado com o moletom dos presos, com a palavra “Apreendido” em letras bem grandes.

Continua após a publicidade

“O objetivo do senhor Zuñiga era tomar as rédeas do país e estabelecer um regime de força. Os feridos demonstram que não foi um simulacro”, afirmou Del Castillo, o ministro do Governo que chutou o tanque na Praça Murillo.

Ao ser detido, o general confirmou a teoria conspiracionista do “autogolpe”, segundo a qual Lucho pediu para “baixar os blindados na rua”.

Não pode continuar a falar, por interferência do vice-ministro do Interior, que mandou os policiais enfiarem o general numa viatura.

Acabou a aventura golpista, mas a guerra entre Lucho e Evo continua.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.