Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

VEJA Meus Livros Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Um presente para quem ama os livros, e não sai da internet.
Continua após publicidade

Machado de Assis Real: campanha quer corrigir branqueamento do escritor

Lançada pela Faculdade Zumbi dos Palmares, ação pede que leitores imprimam nova imagem e colem sobre a tradicional foto do autor em seus livros

Por Redação
2 Maio 2019, 15h15

Uma campanha criada pela Faculdade Zumbi dos Palmares e lançada esta semana na internet quer reparar um erro na iconografia de um dos maiores escritores brasileiros, Machado de Assis (1839-1908). Negro, foi retratado em pinturas como um homem branco – e esses retratos se reproduziram, e continuam a se reproduzir, nas orelhas de seus livros. A campanha Machado de Assis Real modificou um dos retratos mais conhecidos do escritor e propõe, agora, que os leitores imprimam a imagem e a coloquem sobre as fotos antigas do autor em seus livros.

“O racismo no Brasil escondeu quem ele era por séculos”, diz o texto da campanha. “Sua foto oficial, reproduzida até hoje, muda a cor da sua pele, distorce seus traços e rejeita sua verdadeira origem. Machado de Assis foi embranquecido para ser reconhecido. Infelizmente. Um absurdo que mancha a história do país.”

“Uma foto do Machado de Assis real está disponível aqui no site, para ser colada sobre a foto antiga, preconceituosa”, continua o texto. “Uma errata histórica feita para impedir que o racismo na literatura seja perpetuado. Para encorajar novos escritores negros. Para dar a chance de a sociedade se retratar com o maior autor do Brasil.”

Também faz parte da campanha um abaixo-assinado online que pede que as editoras troquem a antiga imagem de Machado de Assis por essa nova versão. “Criamos este abaixo-assinado para que as editoras e livrarias deixem de imprimir, publicar e comercializar livros em que o escritor aparece embranquecido e substitua a imagem preconceituosa pela foto de Machado de Assis Real”, diz a petição. A meta é chegar a 7.500 assinaturas – até o momento, são mais de 5.200 apoios.

A discussão sobre o branqueamento de Machado de Assis em retratos não é nova e foi, inclusive, intensificada em 2018, depois da descoberta do pesquisador independente Felipe Pereira Rissato do que parece ser a última fotografia em vida do escritor. “Estampado na revista argentina Caras y Caretas, no ano de sua morte, o Machado de corpo inteiro é um homem evidentemente negro”, diz reportagem de VEJA publicada à época. “Trajado com perfeição, a barba e o bigode irretocáveis, apresentado como ‘presidente de la Academia de la Lengua Brasileña’. Ainda assim, ou por isso mesmo, esse instantâneo afro-brasileiro rompe com o modelo ático legado à posteridade. No improviso da tomada da foto se revela o racismo que hoje em dia felizmente se tornou inaceitável.”

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.