Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Por que Milei não saiu derrotado da eleição argentina

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 23 out 2023, 19h40 - Publicado em 23 out 2023, 19h39

Javier Milei, o candidato da extrema-direita argentina à presidência não saiu, nem de longe, derrotado no primeiro turno das eleições, como tem sido definido majoritariamente. 

Ao contrário. 

Se perguntássemos há dois anos, ninguém – rigorosamente ninguém – apostaria nele para a posição do candidato que ainda pode derrotar o tradicional peronismo. 

É um sucesso chegar ao ponto em que Milei chegou. O partido que ele ajudou a criar em 2021 fez 35 deputados e oito senadores, o que mais cresceu no Legislativo. 

Óbvio que, como ele era apontado como o líder de votos em oito de cada dez pesquisas, a segunda colocação traz um desânimo, especialmente para a estrutura da campanha. 

Continua após a publicidade

Neste domingo, 22, Milei rosnou como de costume, mas não tinha o apelo que obteve à medida que alguns institutos apontavam até uma vitória no primeiro turno. 

Ocorre que agora é que “são elas”: uma nova eleição começa. 

Sergio Massa saiu vitorioso, o primeiro colocado, animou a militância peronista, mas tem um enorme desafio daqui em diante.

Não adianta falar em fazer um governo de coalizão se o que está à frente é a eterna incapacidade dos peronistas de se unirem à direita democrática argentina. 

Continua após a publicidade

Enquanto Massa recebeu 36% dos votos no primeiro turno, Milei obteve 30%. Patricia Bullrich, da direita tradicional de Maurício Macri, alcançou mais de 24%, ficando fora da disputa, mas já sinalizou que não deve apoiar Sergio Massa, o peronista. 

“O populismo empobreceu o país e não sou eu quem vai felicitar o regresso ao poder de alguém que fez parte do pior governo da história Argentina”, disse Patricia Bullrich. 

O Brasil de 2018 viveu exatamente esse o enredo: a direita tradicional e a centro-direita apoiaram Bolsonaro, assumindo o risco de um extremista no poder, porque não queriam a esquerda. 

Ou seja – apertem os cintos, leitores – a Argentina hoje é um país com uma eleição em aberto. Aliás, totalmente em aberto.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.