Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Os vetos que são a cara de Bolsonaro

Corte na educação, no INSS, na pesquisa científica e na proteção ambiental... mas dinheiro para os políticos nas emendas e no fundão eleitoral

Por Matheus Leitão Atualizado em 26 jan 2022, 11h33 - Publicado em 26 jan 2022, 10h33

Com os seus vetos, o presidente Jair Bolsonaro acabou de lapidar o orçamento para ficar à sua imagem e semelhança. Tem todas as prioridades invertidas.

Todo mundo sabe que neste momento há necessidade de mais dinheiro para a educação, e não menos. Os desafios cresceram. Mas a tesoura de Bolsonaro cortou forte lá.  O INSS, que tem uma fila de quase dois milhões de pessoas para se aposentar, sofreu corte na manutenção das agências. 

Também não ficaram de fora cortes em áreas importantes, mas nunca valorizadas pelo atual presidente, como a pesquisa científica e as políticas públicas para indígenas e quilombolas. A Fiocruz, instituição que exerceu papel fundamental durante a pandemia, sofreu um corte de R$ 11 milhões na sua verba destinada à pesquisa e desenvolvimento.

O presidente também tirou R $17 milhões da verba já magérrima do combate às queimadas – mesmo depois de grandes desastres ambientais provocados no Pantanal, na Amazônia e na Mata Atlântica durante seu governo.

E o que Bolsonaro protegeu?

A verba para o fundão eleitoral hoje é quase três vezes maior do que na campanha de 2018. Ou seja, o dinheiro dos políticos cresceu. As emendas parlamentares foram para R$ 35,6 bilhões, mais do que no ano passado, e – dentro delas – o famigerado orçamento secreto, que ficará com 16,5 bilhões.

Continua após a publicidade

Está protegido também o valor de R$1,7 bi para “aumento de servidores”. Mas na verdade, esse é o valor exato que ele prometeu para a Polícia Federal. Se ele for efetivado, haverá a pressão dos outros servidores e será difícil conter a avalanche. A começar pela Receita Federal.

Repercussão

A Ong Todos pela Educação reagiu de forma correta aos cortes do governo atual. “A Educação Básica foi, de longe, a mais afetada, com 54% do total do veto (uma grande parte operacionalizado pelo FNDE). São R$402 milhões em diversas ações, algumas delas importantes para o enfrentamento da pandemia no curto prazo e outras mais estruturantes”, afirmou Lucas Hoogerbrugge, líder de Relações Governamentais da Ong.

O corte no INSS teve reação imediata dos servidores, por exemplo. Eles acreditam de fato que pode haver paralisia total nas atividades do órgão.

O custo ficará muito maior.

A julgar pelo orçamento de Bolsonaro, o país continuará cortando onde não pode, e gastando onde não deve.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês