Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

O que a extrema-direita planeja com a vitória de Javier Milei na Argentina

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 19 nov 2023, 22h07 - Publicado em 19 nov 2023, 22h03

Após uma sequência de derrotas – inclusive no Brasil -, o movimento extremista de direita começa a se reorganizar no mundo. O primeiro passo acontece com a vitória acachapante de Javier Milei, na Argentina.

Era previsível esse resultado, apesar de colocar o vizinho sul-americano em um caminho incerto.

Assim como em 2018 com Jair Bolsonaro, a vitória de Milei é um salto no escuro de um povo que sofre há décadas com problemas econômicos e sociais.

Não se sabe como serão os próximos quatro anos na política, mas é previsível que Milei siga a cartilha da extrema-direita, tentando desestabilizar os outros poderes da República. Ele tinha até ensaiado antes, acusando uma suposta fraude no sistema, que teria sido feita pela Gendarmeria, a polícia argentina.

Há um agravante no caso argentino.

Continua após a publicidade

Analistas políticos veem as instituições constitucionais argentinas menos fortalecidas que as brasileiras, mesmo que a ditadura naquele país tenha acabado dois anos antes da nossa.

O peronismo, que sai derrotado, havia vencido quatro das últimas cinco eleições – com a exceção da direita moderada liderada por Maurício Macri, 2015. Assim que sua pupila Patricia Bullrich, que ficou em terceiro lugar no primeiro turno deste ano, apoiou Milei, a eleição Argentina estava resolvida.

No dia 23 de outubro, escrevi na coluna um texto com o título “por que Milei não saiu derrotado da eleição argentina”, mesmo com ele indo para o segundo turno bem atrás de Sérgio Massa. No último parágrafo, afirmava: “apertem os cintos, leitores – a Argentina hoje é um país com uma eleição em aberto. Aliás, totalmente em aberto”.

A virada aconteceu e esse resultado encoraja a extrema-direita ao redor do mundo.

Continua após a publicidade

A esperança do grupo que saiu dos porões da ditadura Argentina, assim como no Brasil bolsonarista a favor da tortura, é a de que Donald Trump recupere a presidência nos Estados Unidos, em 2024.

Depois – bem, depois… eles tentarão recuperar o Brasil com algum discípulo de Jair Bolsonaro.

PS – A vice-presidente eleita, Victoria Villarruel, de apenas 48 anos, é de uma família de militares argentinos e defende a ditadura sanguinária que matou mais de 30 mil civis. E, mais recentemente, disse que “só uma tirania” resolve o problema da Argentina.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.