Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

A grande incerteza para Ciro Gomes

Candidato do PDT ao Planalto está perto de ter um leque restrito de opções para a carreira política

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 6 set 2022, 10h13 - Publicado em 27 ago 2022, 08h30

O candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, está quase chegando ao ponto em que não terá muitas, nem boas opções para seu futuro na política. Terceiro nas pesquisas, ele está estacionado no patamar dos 7% das intenções de votos, muito distante dos primeiros colocados, Lula e Bolsonaro. Hoje a derrota de Ciro é praticamente certa.

O que será dele depois de perder mais uma corrida ao Planalto?

De forma geral, há basicamente dois caminhos para Ciro Gomes tomar. Um deles seria abandonar a decisão de castigar o PT por não lhe ter apoiado em 2018, quando ele teria chances de derrotar Bolsonaro caso fosse apoiado pelos petistas. 

Assim, Ciro poderia escrever seu nome no podium eleitoral e assumiria uma relevância histórica para o campo democrático caso colaborasse com a vitória de Lula e a derrota de Bolsonaro. Para isso, precisaria abandonar o ego e o desejo de vingança contra o partido que lhe tirou a chance de ser presidente da República quatro anos atrás.

A outra opção de Ciro é perder duas vezes. 

Continua após a publicidade

Além de não ganhar o cargo que disputa pela quarta vez, ele também perderia por ter se afastado do projeto do campo democrático, seja quem for o próximo presidente. Se Lula perder, a história cobrará um preço ainda maior de Ciro por ter contribuído para a ocorrência de um segundo turno – no momento, a principal chance de vitória de Jair Bolsonaro acontece se houver a segunda etapa da votação.

Exemplo do erro cometido por Ciro é um texto publicado por ele nas redes sociais nesta semana. “Lula e Bolsonaro são pessoas diferentes, a gente sabe disso. Mas, a rigor, representam o mesmo tipo de gestão econômica e o mesmo tipo de gestão política”, disse o candidato. 

Isso não é verdade. Bolsonaro significa atraso, retrocesso e ameaça à democracia. Lula, com seus defeitos, é bem diferente de Bolsonaro.

Nos bastidores de Brasília, há quem especule que o recente desentendimento entre Ciro e o irmão e senador Cid Gomes  seria apenas um teatro.

Continua após a publicidade

Afastados por causa do rompimento da aliança com o PT no Ceará, defendida por Cid, o fingimento serviria para o senador reconstruir as pontes do irmão com os petistas e apoiar Lula.

Claro que a aliança não seria gratuita. 

Os irmãos Gomes e o PDT negociariam para si cargos, orçamento e participação num eventual mandato de Lula. Ciro tem sido muito claro de que não aceitaria jamais esse papel – teve excelente participação no Jornal Nacional -, o que é um direito que ele tem.

O tempo, no entanto, urge. 

Continua após a publicidade

E o ponto de não retorno, quando Ciro já não terá essa opção, está se aproximando cada vez mais rápido.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.