Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

A dupla face de Bolsonaro com Alexandre de Moraes

Presidente cumprimentou ministro de forma amigável apesar dos ataques que faz constantemente

Por Matheus Leitão Atualizado em 23 Maio 2022, 09h39 - Publicado em 21 Maio 2022, 10h41

O contraste entre os ataques contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e a cordialidade com a qual Jair Bolsonaro cumprimentou Alexandre de Moraes nesta quinta, 19, mostram que o presidente vive fazendo um jogo político que agrada apenas os seus seguidores mais radicais.

Em evento no Rio de Janeiro, Bolsonaro reclamou do tempo que gasta se defendendo do STF. “Mais da metade do meu tempo passo me defendendo de interferências indevidas do Supremo Tribunal Federal”, afirmou.

O presidente também voltou a criticar o processo eleitoral. “Não serão duas ou três pessoas que vão bater no peito: ‘eu mando, vai ser assim e quem agir diferente eu vou caçar o registro e prender’. Isso não é democracia”, disse.

As declarações atingem todos os ministros do STF, mas são voltadas especialmente para Alexandre de Moraes, o ministro que foi eleito inimigo pessoal de Bolsonaro e que será o presidente do Tribunal Superior Eleitoral na época das eleições.

O estranho é que, no mesmo dia em que fez esses ataques, Bolsonaro encontrou Moraes em um evento de posse dos novos ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e cumprimentou seu “inimigo” de forma bastante cordial.

A postura contraditória só deixa claro que Bolsonaro está fazendo um jogo político: ataca as urnas, o STF e crítica Moraes numa falácia construída para agradar seus seguidores mais radicais, que apostam nas crises institucionais para tentar manter o presidente no poder.

Antes, Bolsonaro atacava o Congresso. Quando Rodrigo Maia saiu de cena e entrou Arthur Lira, o presidente abandonou os ataques ao Legislativo e passou a direcionar seus ataques ao Judiciário, em especial ao STF.

O presidente deve insistir nesse jogo até outubro, mas esquece que essa estratégia pode desgastá-lo ainda mais e afastar eleitores que não concordam com essa postura ofensiva, que fragiliza a democracia

É o Bolsonaro vivendo de crises institucionais, mas perto das eleições de 2022. O tiro pode sair pela culatra.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)