Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Marcos Emílio Gomes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

A coluna trata de desigualdade, com destaque para casos em que as prioridades na defesa dos mais ricos e mais fortes acabam abrigadas na legislação, na prática dos tribunais e nas tradições culturais
Continua após publicidade

Vírus, ignorância e preconceito

A pandemia cria ambiente para a proliferação do racismo, do medo do contágio via pobreza e da caridade inócua para os miseráveis

Por Marcos Emílio Gomes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 5 jun 2020, 11h27 - Publicado em 19 mar 2020, 19h20

Nada como uma epidemia para fazer aflorar o que há de pior nos seres humanos. Se você é usuário do WhatsApp, como 99% dos portadores de smartphones no Brasil, recebeu recentemente, ou está prestes a receber, em pelo menos um dos grupos dos quais faz parte, sequências de vídeos que mostram hábitos exóticos de alimentação de habitantes de diversas regiões da China. Menos do que curiosidade, o que essa campanha procura incentivar é o preconceito que nasce quase naturalmente das diferenças que não compreendemos – embora sejamos consumidores de coisas como roquefort, scargot, ceviche, tripas, formigas e milhões de animais invisíveis.

Logo depois da circulação dos vídeos, em praticamente todos os grupos se estabelece a troca de mensagens de cunho racista, contra chineses em particular e orientais de modo geral. Donald Trump – que chama COVID-19 de “vírus chinês” – é mestre em explorar a vilania e a indignidade embutidas nessas manifestações cuja única relevância é determinar o quanto podemos ser ignorantes, sáfios e estúpidos, combinadamente.

Trump, cuja plataforma visa a manter os americanos como os maiores consumidores e poluidores do planeta, mandando às favas as consequências, tem como objetivo aproveitar-se do lado discriminador e ignóbil de parte do eleitorado de seu país para fortalecer-se politicamente. Quer ser um herói que denuncia e combate o perigo alienígena, protegendo os cidadãos “inocentes” antes vitimados pelo desemprego e agora pelo vírus dos chineses. Do ponto de vista do planeta, make America great again pode ser traduzido como “os outros que se lasquem”.

Nas nossas elite e classe média, onde o preconceito contra chineses e também coreanos aflora fácil num momento como este, trata-se mesmo de obscurantismo recheado com certo complexo de inferioridade. Desprezam o desconhecido e misterioso, deixando vazar a preguiça ancestral de buscar esclarecimento na mesma medida em que remoem a inveja pelo progresso tecnológico que sopra da Ásia sobre os nossos cartórios, a nossa herança patrimonialista de privilégios raciais e o mais insólito orgulho da própria ignorância.

Como se sustenta aqui um processo de desigualdade descomunal e baseado na negação institucional do direito de oportunidades equânimes, temem, esses whatsappistas (não por acaso usando camisas amarelas), que os exóticos estão prestes a tirá-los da janelinha do ônibus da história, como os ameaçam de vez em quando também os miseráveis que rondam as grades dos condomínios. É a janelinha do último ônibus, provavelmente, mas ônibus ainda assim.

Continua após a publicidade

Vêem a vida em branco e preto e, na visão deles, o amarelo é um dos tons de preto, o vermelho é um tom de preto, a justiça social é preta. E todos os que discordarem deles são pretos também. Essa Ku Klux Klan está prestes, agora, no meio de uma pandemia, a transferir novamente a conta para os que têm menor poder aquisitivo e, quase por consequência, legislativo. Quando, “pagando salário!”, dão folga para as empregadas, que vão se virar contra o vírus na aglomeração indigna da favela, não estão pensando na segurança da funcionária, mas sim que ela não traga a praga lá do transporte público para dentro de suas casas.

Quando se fala em soltar presos idosos e condenados a penas menores para evitar a explosão das contaminações e mortes no sistema penitenciário, trocam mensagens defendendo exatamente o oposto. Lamentam o fechamento da Disneylândia e não estão nem aí para como vai se virar o vendedor de panos de prato dos semáforos. Seus olhos estão nas notícias, mas o coração pulsa mesmo no ritmo da bolsa de valores, decidindo fazer posições em dólar ou ouro para nunca mais cair no conto da bolha, aplicado pelos mais espertos.

É bastante significativo que o pacote emergencial anunciado por Paulo Guedes na quarta-feira, dia 18, tenha reservado R$ 200 reais para cada trabalhador informal que possa ser identificado, por três meses. A expectativa é de que isso seja suficiente para manter quieto o contingente de brasileiros aos quais se nega trabalho digno até que possam voltar às atividades despidas de perspectiva que exercem regularmente.

Medida com jeitão de caridade, a ideia parece pífia quando comparada ao esforço para socorrer companhias aéreas. Afinal, quando tudo passar, o pessoal do preconceito via WhatsApp precisa voltar a comprar os produtos chineses e visitar a Disney. Mas o auxílio parece ainda menos relevante quando se procuram os sacrifícios que estão sendo solicitados, neste momento, aos bancos e aos investidores que acumulam lucros astronômicos e crescentes e que, claramente, na crise das bolsas, estão com os tickets que garantem ainda mais ganhos, contra aqueles menos espertos e contra todos.

Continua após a publicidade

Sabe-se que dinheiro não evapora. Só muda de bolso e o bolso em que foi parar pode ser rastreado. Não seria este um bom momento para rever, em caráter extraordinário, a política de tributação dos negócios que nunca perdem nada?

Para comentar este texto, use por favor este link.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.