Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Queimadas disparam nas regiões de caatinga e cerrado do Brasil

Dados do Inpe mostram que as áreas destruídas pelas chamas nos dois tipos de vegetação cresceram 359,7% e 38,4%, respectivamente

Por Caíque Alencar 23 ago 2021, 12h42

As queimadas nas vegetações de caatinga e cerrado no Brasil tiveram uma disparada em 2021, mostram dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) sobre o monitoramento de áreas destruídas pelas chamas. Entre janeiro e julho deste ano, o fogo atingiu 5.378 quilômetros quadrados de caatinga e 34.478 quilômetros quadrados de cerrado – os aumentos foram de 359,7% e 38,4%, respectivamente, em relação ao mesmo período de 2020 (veja quadro abaixo). Juntas, as duas áreas equivalem a cerca de 5,5 milhões de campos de futebol.

Na comparação entre os meses de julho de 2020 e 2021, a alta foi de 275,8%% na caatinga e de 41,7% no cerrado. Os aumentos ocorrem na época em que o Brasil registra os períodos mais secos do ano, entre junho e outubro, quando também é comum a presença de fortes ventos. A condição climática favorece o surgimento de focos de incêndio, que podem ter tanto causa natural quanto por intervenção humana.

Além da destruição da vegetação, o fogo também prejudica os animais e ameaça a população por trazer riscos em relação à saúde, redução da umidade do ar e o surgimento de doenças respiratórias.

“Chuva de fuligem”

Neste final de semana, um incêndio no Parque Estadual do Juquery, em Franco da Rocha, fez várias regiões da capital paulista e outras cidades da Região Metropolitana de São Paulo (RSMP) experimentar um fenômeno batizado de “chuva de fuligem” nas redes sociais. Em posts no Twitter, usuários publicaram fotos de quintais e varandas cobertos de cinzas.

Combate a incêndio no Juquery se estendeu pela madrugada e parte de São Paulo acordou debaixo de muita fumaça
Combate a incêndio no Juquery se estendeu pela madrugada e parte de São Paulo acordou debaixo de muita fumaça Prefeitura de Franco da Rocha/Divulgação

O fogo no parque começou por volta das 9h deste domingo, 22, após um balão cair na área de vegetação, que também é de cerrado. Após 20 horas de combate às chamas, o incêndio foi controlado por volta das 5h desta segunda-feira, 23. Até o final da manhã, no entanto, a Prefeitura de Franco da Rocha ainda monitorava alguns focos de chamas remanescentes. Procurada por VEJA, a Prefeitura informou que a estimativa é que 65% da área total do parque tenha sido queimada.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)