Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Prisões são ‘masmorras medievais’ e ‘Lula é um cristão’, diz Lewandowski

Ministro da Justiça foi questionado sobre 'saidinhas' de presos durante audiência na Comissão de Segurança Pública da Câmara

Por Da Redação Atualizado em 9 Maio 2024, 12h17 - Publicado em 16 abr 2024, 18h07

O ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, criticou durante audiência na Câmara dos Deputados a situação dos presídios brasileiros, que comparou a “masmorras medievais” — definição já utilizada pelo ex-ministro José Eduardo Cardozo. A declaração aconteceu nesta terça-feira, 16, ao ser questionado por deputados sobre as saídas temporárias de presos e o veto parcial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao projeto de lei que restringia o benefício.

Lewandowski foi convidado a prestar esclarecimentos sobre a sua gestão na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara, um colegiado dominado pela oposição bolsonarista. O ministro afirmou que Lula sancionou 90% das mudanças promovidas pelo Legislativo nas regras sobre o benefício, mas manteve a saída temporária para visita aos familiares por entender que a proibição contraria princípios fundamentais da dignidade humana e da Constituição Federal, “que obriga o Estado a defender a família”. “O presidente da República é um cristão”, declarou o ministro. “Estamos defendendo um valor cristão, um valor fundamental da sociedade”, acrescentou. 

Lewandowski disse ainda que a taxa de detentos que não retornam após as saidinhas é de cerca de 6% e que a medida, criada durante a ditadura militar, foi implementada para auxiliar na ressocialização dos presos. “Não podemos destruir todo um sistema que foi concebido por técnicos na época do regime militar por razão do não retorno de 6% [dos presos]. A falha do sistema penitenciário não se deve às saidinhas. Como o Supremo Tribunal Federal reconheceu, o sistema prisional brasileiro está em um estado inconstitucional de coisas”, afirmou.

E acrescentou: “Houve um ministro da Justiça que me antecedeu, José Eduardo Cardozo, que disse que as prisões são verdadeiras masmorras medievais. A questão da não ressocialização não se deve à lei de execução penal, mas a essas verdadeiras masmorras medievais”, concluiu.   

Análise do veto

O Congresso Nacional deve analisar os vetos de Lula ao projeto que restringe as saidinhas de presos na próxima quinta-feira, 18. A expectativa é que o governo sofra uma derrota, já que a maioria dos parlamentares apoia a proibição quase total, como havia sido aprovado pelo Congresso. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.