Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Primeiro suspeito dá nova versão para assassinatos de Dom e Bruno

Durante reconstituição, Amarildo apontou outro suspeito como autor dos disparos, segundo a polícia, ele chegou a admitir assassinato anteriormente

Por Da Redação 21 jun 2022, 14h14

O pescador Amarildo da Costa de Oliveira, de 41 anos, primeiro preso por suspeita de ter participado do assassinato do indigenista Bruno Araújo Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, mudou a versão que contou às autoridades sobre o crime e negou ter atirado contra a dupla. Em seu primeiro depoimento, Amarildo chegou a admitir que seria um dos autores do crime. Durante a reconstituição, quando foi levado ao local das mortes no rio Itaquaí por policiais federais, o pescador acusou o suspeito Jeferson da Silva Lima de ter trocado tiros com o indigenista.

Vídeos gravados durante a reconstituição do crime na última quarta-feira, 15, obtidos pela TV Globo, mostram que Amarildo aponta o outro suspeito como autor dos disparos contra Bruno e Dom. Ele diz que Jeferson e Bruno tiveram uma discussão enquanto navegavam no rio Itaquaí, e que o indigenista chegou a revidar alguns tiros após Jeferson atirar. O barco em que estavam Bruno e Dom teria então disparado em alta velocidade na direção de uma das margens do rio. Amarildo acusa o companheiro de matar o indigenista com um tiro nas costas e, em seguida, o jornalista inglês. De acordo com a PF e a Polícia Civil, porém, Amarildo teria admitido o crime antes da reconstituição.

Jeferson se entregou à polícia no último sábado, 18, e teria admitido participação na morte do indigenista e do jornalista. Além dos dois, também está preso o suspeito Oseney da Costa de Oliveira, que é irmão de Amarildo. Uma testemunha disse à polícia que levou Oseney até a lancha de Amarildo na mesma manhã do desaparecimento da dupla, e que ele carregava uma espingarda calibre 16. Oseney negou ter participado do assassinato, e seu irmão também afirmou que ele não teve envolvimento. Além dos três suspeitos presos, a Polícia Federal também investiga outras cinco pessoas por participar da ocultação dos corpos, queimados e esquartejados no meio da mata.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)