Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Paraná: entenda o polêmico projeto que repassa escolas à gestão privada

Proposta do governo Ratinho Jr. visa modernização da administração escolar e melhora nos índices de aprendizagem; oposição fala em terceirização do ensino

Por Adriana Ferraz Atualizado em 4 jun 2024, 13h57 - Publicado em 4 jun 2024, 13h42

Marcado por polêmicas e protestos que culminaram na invasão do prédio da Assembleia Legislativa do Paraná nesta segunda, 3, o projeto de lei que repassa à gestão privada o controle da direção educacional de parte das escolas estaduais tem por objetivo, segundo o governo de Ratinho Jr. (PSD), a modernização da administração escolar e a consequente melhora nos índices de aprendizagem. O objetivo oficial é permitir que os gestores se concentrem mais na qualidade educacional, desenvolvendo metodologias pedagógicas, treinando professores e acompanhando o progresso dos alunos.

Aprovado em primeira votação por 39 votos favoráveis e 13 contrários em sessão remota, em função da invasão da Alep, o texto prevê a “formalização de parcerias entre as escolas da rede pública paranaense com pessoas jurídicas de direito privado especializadas em gestão educacional”, visando à implementação de ações estratégicas que contribuam para a modernização da administração escolar, bem como do processo didático.

Se sancionado, o governo pretende implantar o modelo de forma gradual, começando por 200 escolas, o que representa 10% da rede, e mediante consulta pública junto à comunidade escolar. O texto afirma que a remuneração das empresas contratadas será estabelecida de acordo com a média de custo de referência da rede e observará a disponibilidade orçamentária. 

Segundo o governo, os colégios considerados elegíveis para receber o programa Parceiro da Escola foram selecionados por suas necessidades de aprimoramento pedagógico. Ratinho Jr. diz que as instituições parceiras serão escolhidas por meio de um processo licitatório público, garantindo transparência e eficiência, e que professores e funcionários efetivos continuarão em suas posições, enquanto as demais vagas serão preenchidas pelas instituições parceiras, em regime CLT e com salários equivalentes aos praticados pelo estado.

Continua após a publicidade

Outros países

Entre as justificativas do projeto está o fato de o modelo já ter sido testado em outros países com sucesso, a exemplo do Canadá, da Coreia do Sul e da Inglaterra. Para obter apoio, o governo ainda destaca que a mudança na gestão das escolas não mudará a característica essencial do ensino, que seguirá público e gratuito. E nega que o projeto pretenda terceirizar a educação ou desvalorizar a categoria.

Pouco debate

Durante o processo de votação nesta segunda, deputados contrários à proposta ressaltaram que o texto foi pouco debatido com a comunidade, que o governo não apresentou  informações relativas ao impacto financeiro do programa e que a lei pode ser considerada inconstitucional. Apesar da polêmica, há chance de o projeto ser levado à segunda votação na tarde desta terça, 4.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.