Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O que pode impedir uma vitória de Lula no primeiro turno

Pesquisas voltam a indicar a possibilidade de petista triunfar sem a segunda rodada de votação, mas faltam quatro meses para a disputa e cenário pode mudar

Por Da Redação Atualizado em 7 jun 2022, 09h32 - Publicado em 3 jun 2022, 13h39

As últimas pesquisas de intenção de voto para a Presidência da República voltaram a sinalizar que não pode ser descartada a possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) liquidar a eleição já no primeiro turno – mas ainda faltam quatro meses para a votação, a campanha propriamente dita ainda não começou e nem os candidatos ao Palácio do Planalto estão definidos.

Segundo os últimos resultados, Lula teria de 48,3% dos votos válidos – de acordo com o levantamento XP/Ipespe divulgado nesta sexta-feira — a 54%, na sondagem feita pelo Datafolha na semana passada. Outros institutos também chegaram a números parecidos, como as pesquisas Genial/Quaest (48,9%) e BTG/FSB (51,1%). Um candidato precisa de 50% dos votos mais um para vencer no primeiro turno.

Há, no mínimo, três fatores que podem, no entanto, impedir que a disputa acabe já no dia 2 de outubro.

O primeiro seria o crescimento da candidatura de  Ciro Gomes (PDT) – que tem entre 7% e 9%, segundo as pesquisas — e é sempre o primeiro a aparecer atrás de Lula e Bolsonaro. Mas com o pedetista também pode ocorrer o contrário: o seu eleitor, majoritariamente de centro-esquerda, pode se sentir inclinado a, na reta final, ir em direção a Lula para derrotar o presidente Jair Bolsonaro (PL) já no primeiro turno, configurando o chamado “voto útil”.

O segundo fator — e mais plausível — é o crescimento da candidatura da senadora Simone Tebet (MDB), que chegou a 3% no levantamento mais recente, da XP/Ipespe. Ela tem campo para crescer porque ainda é desconhecida de boa parte do eleitorado, tem rejeição baixa, terá bom tempo na propaganda na TV e ficou com o caminho facilitado para tentar unificar o centro após a desistência do ex-governador paulista João Doria (PSDB).

Outro que pode ajudar a levar a disputa ao segundo turno é o deputado federal André Janones (Avante), que de forma surpreendente tem pontuado desde que o seu nome foi colocado no páreo, mesmo sendo de um partido pequeno e tendo pouco espaço na mídia tradicional – ele, no entanto, é um sucesso nas redes sociais, o que pode alancar as suas intenções de voto quando a campanha começar. Além disso, ele pode roubar votos tanto de Bolsonaro quanto de Lula (inclusive Janones já foi filiado ao PT).

O terceiro fator é, claro, a possibilidade de tanto Lula quanto Bolsonaro perderem votos ao longo da campanha, quando forem confrontados com os erros de seus governos, que são muitos e ainda não foram devidamente expostos na arena eleitoral. O petista, além da crise econômica deixada pelo governo Dilma Rousseff, terá que se explicar sobre os escândalos de corrupção que brotaram durante dos governos petistas e que, inclusive, levaram o ex-presidente à prisão. Já Bolsonaro terá que se ver com os maus números na economia, a volta da fome, a alta dos preços e o seu comportamento errático durante a pandemia da Covid-19 — além de escândalos variados, como o fantasma da rachadinha que assombra quase toda a família.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)