Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Maceió: ministério vê situação estável e risco de desabamento ‘localizado’

Terreno do bairro do Mutange, na capital de Alagoas, afundou 1,69 metro desde a última terça-feira

Por Da Redação
3 dez 2023, 16h02

Em Maceió, o ritmo de afundamento do solo devido à atividade mineradora da Braskem está diminuindo e a situação caminha rumo à estabilização, segundo o Ministério de Minas e Energia (MME). Em relatório publicado neste domingo, 3, especialistas do Serviço Geológico Brasileiro (SGB/CPRM) avaliam que há “redução da probabilidade de deslocamentos de terra de larga escala” na capital de Alagoas.

De acordo com o documento, o deslocamento do terreno na região do bairro do Mutange desacelerou de 50 centímetros por dia, entre os dias 28 e 29 de novembro, para cerca de 15 centímetros diários no último sábado, 2. Na manhã de hoje, a Defesa Civil de Maceió informou que o solo afundou um total de 1,69 metro desde terça-feira e que o solo continua a ceder, aproximadamente, 70 milímetros por hora.

“A expectativa dos especialistas do SGB/CPRM, neste momento, é que, se houver desmoronamento, ocorrerá de forma localizada e não generalizada”, afirma o MME. A pasta explica, ainda, que o tremor de terra observado na madrugada de sábado foi registrado na direção da Lagoa de Mundaú, indicando “afastamento da situação de instabilidade da área original.”

Prefeito fala em “caminho para a estabilização”

Na tarde deste domingo, o prefeito João Henrique Caldas (PL) publicou um vídeo nas redes sociais comentando a situação da mina 18, no bairro do Mutange, no qual afirma que a tendência de diminuição da velocidade de afundamento da região permanece.

Segundo o prefeito, dos doze equipamentos que monitoram a área, apenas um está em alerta – no auge da crise, eram seis e todos na região com risco de colapso. “Não podemos, de forma alguma, garantir que aquilo é a estabilização, mas é um caminho para a estabilização”, diz.

Braskem menciona acordo anterior com o governo

No sábado, a Braskem, responsável pelas 35 minas de sal-gema existentes no subsolo de Maceió, afirmou em comunicado que a erosão do solo está concentrada na área da mina 18 e que as medidas de redução de riscos ocorrem dentro do cronograma aprovado pela Agência Nacional de Mineração (ANM).

“Das 35 cavidades, 9 receberam a recomendação de preenchimento com areia. Destas, 5 tiveram o preenchimento concluído, em outras 3 os trabalhos estão em andamento e 1 já está pressurizada, indicando não ser mais necessário o preenchimento com areia”, diz a nota. De acordo com a petroquímica, o plano de encher os poços de sal está previsto para conclusão em 2025.

Os primeiros tremores de terra relacionados à instabilidade das minas em Maceió foram registrados em 2018 – contudo, a Braskem interrompeu as atividades de mineração na capital somente um ano depois, em maio de 2019. A empresa diz que a realocação de moradores da área foi concluída em 2020 e que as últimas 23 pessoas que ainda habitavam o bairro foram removidas ontem por determinação judicial.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.