Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

CPI do DF poupa Bolsonaro e PMs e pede indiciamento de ex-auxiliar de Lula

Comissão investigou os atos antidemocráticos de 8 de janeiro, quando as sedes dos Três Poderes foram atacadas por uma horda bolsonarista

Por Da Redação
29 nov 2023, 13h59

Relator da CPI dos Atos Antidemocráticos da Câmara Legislativa do Distrito Federal, o deputado João Hermeto de Oliveira (MDB) pediu o indiciamento do ex-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) no início do governo Lula, general Marco Edson Gonçalves Dias, conhecido como GDias, mas poupou o ex-presidente Jair Bolsonaro e ex-ministros de sua gestão.

O texto do parlamentar distrital, lido na sessão desta quarta-feira, 29, diverge do relatório apresentado pela senadora Eliziane Gama (PSD-MA) em outubro na CPMI do 8 de Janeiro, que tramitou no Congresso e pediu indiciamento de Bolsonaro e quatro ex-ministros, além de ex-chefes das Forças Armadas e sete ex-integrantes do GSI, mas poupou G. Dias.

Apesar de o nome de Bolsonaro ser citado quarenta vezes no relatório do Legislativo do DF, inclusive apontado como autor da retórica que inspirou as manifestações do dia 8 de janeiro, o relator afirmou que durante os trabalhos da CPI não foram encontradas “evidências sólidas ou informações concretas” que sustentem a alegação de que o ex-presidente tenha planejado ou executado um golpe de estado no Brasil. “Questões afetas a esse tipo de discussão precisam ser tratadas com ceticismo e baseadas em informações verificáveis, de forma que se evite a propagação de teorias da conspiração”, afirmou o deputado distrital.

PMs poupados

As diferenças entre os dois relatórios não param por aí. Ex-policial militar, Hermeto não pediu indiciamento de integrantes da chefia da PM do Distrito Federal, que era responsável pela segurança da Praça dos Três Poderes quando milhares de manifestantes bolsonaristas invadiram e depredaram os prédios do Congresso, do Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal. Em outubro, Eliziane pediu o indiciamento de sete pessoas que, no dia dos atos de vandalismo, faziam parte da cúpula da PM-DF.

Ao todo, Hermeto pediu indiciamento de 121 pessoas, quase o dobro dos pedidos feitos por Eliziane. Além de indiciamentos, o relator propõe medidas como recomposição de efetivo e de salários nas polícias Militar e Civil do DF, além da criação de uma Comando de Policiamento da Esplanada, para atuação exclusiva na proteção dos prédios dos ministérios.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.