Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Cármen Lúcia critica big techs e ‘algoritmo do ódio’ na posse no TSE

Pela segunda vez, magistrada fica à frente da Corte; Nunes Marques também tomou posse como seu vice

Por Isabella Alonso Panho Atualizado em 3 jun 2024, 22h26 - Publicado em 3 jun 2024, 20h56

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia tomou posse na noite desta segunda-feira, 3, como presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O ministro Nunes Marques assumiu como seu vice na mesma cerimônia. Em seu discurso, a magistrada falou sobre a importância do combate à disseminação de notícias falsas e criticou o papel desempenhado pelas big techs.

“O algoritmo do ódio senta-se à mesa de todos”, disse Cármen. “A mentira espalhada pelo poderoso ecossistema digital das plataformas é um desaforo tirânico contra a integridade das democracias. É um  instrumento de covardes e de egoístas.”

A ministra também lembrou dos ataques do 8 de Janeiro e elogiou a atuação do colega Alexandre de Moraes no enfrentamento da empreitada radical. “O que distingue esse momento da história são o ódio e a violência utilizados como instrumentos antidemocratas, para garrotear as liberdades, contaminar escolhas e aproveitar-se do medo”, afirmou Cármen Lúcia.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que indicou a ministra ao Supremo em 2006, também esteve na cerimônia, mas não fez uso da palavra.

Continua após a publicidade

É a segunda vez que ela ocupa a cadeira. Antes, ela presidiu a Corte de abril de 2012 a novembro de 2013, sob um contexto político que ainda não tinha campanhas em redes sociais, disseminação de notícias falsas em larga escala e diante de uma polarização mais amena, entre PT e PSDB.

A magistrada ocupa a cadeira que até então era do ministro Alexandre de Moraes, protagonista de uma passagem marcante pela Corte Eleitoral. Foi sob a sua gestão que o ex-presidente Jair Bolsonaroque disse não ter sido recebido convite para a cerimônia desta segunda — foi condenado à inelegibilidade duas vezes. Depois dos dois anos de Cármen Lúcia, Nunes Marques é quem deve assumir a presidência do TSE.

O presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Beto Simonetti, falou sobre a defesa das sustentações orais dos advogados nas Cortes Superiores durante a solenidade. Além do plenário virtual (que agiliza o julgamento dos processos mas digitaliza completamente o ato), houve atritos entre Moraes e a advocacia, por proibições que o ministro fez a defensores de fazerem uso da palavra na tribuna.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.