Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A obsessão bolsonarista com o ‘antro esquerdista’ da Fiocruz

Instituição, que tem 120 anos de existência e é estratégica no combate à Covid-19, é alvo de fake news e ameaças desde a chegada de Bolsonaro ao poder

Por Da Redação Atualizado em 26 Maio 2021, 13h54 - Publicado em 26 Maio 2021, 13h33

O áudio no qual a secretária de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, afirmava que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) era um antro de esquerdismo não é uma visão isolada entre os seus companheiros ideológicos: o bolsonarismo, incluindo o seu mentor, o presidente Jair Bolsonaro, sempre teve essa visão paranóica da instituição centenária, uma das mais respeitadas entidades científicas do mundo.

“Eles têm um pênis na porta da Fiocruz. Todos os tapetes das portas são a figura do Che Guevara, as salas são figurinhas do’ Lula livre’, ‘Marielle vive’. É um órgão que tem um poder imenso, porque durante anos eles controlaram, através do movimento sanitarista, que foi todo construído pela esquerda, a saúde do país”, diz a secretária no áudio que foi exposto na CPI da Pandemia pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), durante depoimento de Pinheiro na terça-feira, 25.

Conhecida como “Capitã Cloroquina”, em razão da defesa que faz do uso da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19 – que não tem nenhuma eficácia comprovada –, Pinheiro confirmou que o áudio era dela. Quando o presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), disse ter entendido “tênis” na fala, ela rebateu. “Não, senhor. Existia um objeto inflável em comemoração a uma campanha na porta da entidade”, afirmou.

A secretaria do Ministério da Saúde Mayra Pinheiro durante depoimento à CPI da Pandemia 25/05/2021 -
A secretaria do Ministério da Saúde Mayra Pinheiro durante depoimento à CPI da Pandemia 25/05/2021 – Jefferson Rudy/Agência Senado

Desde o início de seu governo, o presidente Jair Bolsonaro vivia dizendo que um dos objetivos de seu mandato era “desesquerdizar” as instituições e sempre citava a Fiocruz como um desses locais, segundo confirma o primeiro ministro da Saúde do governo, Luiz Henrique Mandetta. “A Fiocruz  era a casa da esquerda, do comunismo. Ouvi isso várias vezes do Bolsonaro. Quando viram que o Doria começou a se mexer, acho que eles perceberam que tinham que apostar na da Fiocruz”, conta o ex-ministro, hoje opositor ao governo.

Continua após a publicidade

A referência de Mayra Pinheiro ao “movimento sanitarista” se explica pelo nome da instituição: Oswaldo Cruz foi um dos mais importantes sanitaristas brasileiros e, por ironia, teve que enfrentar talvez o maior movimento negacionista antes dos anos Bolsonaro: a Revolta da Vacina, quando a população do Rio de Janeiro se rebelou contra as campanhas lideradas pelo médico para erradicar doenças como a peste bubônica e a febre amarela.

Há mais duas ironias no episódio. Uma é que o ataque sem sentido à instituição veio no dia do seu aniversário – a Fiocruz foi fundada no dia 25 de maio de 1990. A outra é que, como disse Mandetta, a Fiocruz é agora a principal aposta de Bolsonaro para fazer frente à pandemia e ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o Instituto Butantan, responsável pela CoronaVac: a entidade ligada ao governo federal, em parceria com a Astrazeneca, firmou contrato para produzir 100,4 milhões de doses da vacina contra a Covid-19.

A presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, será ouvida em audiência na CPI da Pandemia, em data ainda a ser definida. O seu depoimento estava previsto para a terça-feira, 25 de maio, mas foi adiado depois que a agenda de audiências foi alterada em razão de o depoimento do ex-ministro Eduardo Pazuello ter durado dois dias — e não um, como era esperado.

Nesta quinta-feira, 27, será ouvido o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.

 

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)