Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Fabiana Futema Mãe Para Toda Obra Blog da jornalista Fabiana Futema traz notícias e reflexões sobre o mundo materno, primeira infância e dilemas femininos. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Respeite o tempo do bebê e diga não à cesárea agendada

Estudos indicam que bebês nascidos de cesariana têm mais chances de desenvolverem doenças respiratórias

Por Fabiana Futema Atualizado em 4 jan 2018, 15h59 - Publicado em 4 jan 2018, 07h56

Fim de ano, férias, feriados e Carnaval. Essa é a combinação perfeita para aumentar o número de cesáreas agendadas nos hospitais do país. Escolher pela cesárea é uma decisão da mãe, mas agendá-la pode trazer consequências tanto para o bebê quanto para a mãe.

O problema da cesárea agendada, sem indicação médica, é que ela antecipa a data de nascimento do bebê e é realizada sem que a mulher entre em trabalho de parto e não espera que o bebê dê sinais de que está pronto para vir ao mundo.

Estudo dinamarquês publicado no British Medical Journal revela que as chances de bebês nascidos de cesarianas desenvolverem doenças respiratórias são aumentadas em quatro vezes. O risco de morbidade materna também é maior entre as mulheres que fazem cesárea.

Para esclarecer as mulheres sobre o risco da cesárea sem indicação médica, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) lançou em 2015 o projeto Parto Adequado em parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein e o Institute for Healthcare Improvement (IHI).

Continua após a publicidade

No fim de dezembro, a agência lançou a campanha #NãoaoPartoAgendado, que tem o objetivo de lembrar às mulheres que o bebê tem seu tempo e é preciso respeitar as fases da gestação.

Entre os benefícios do parto normal estão menor risco de complicações para a mãe e o bebê decorrentes da cirurgia e indução ao aleitamento materno.

“Hoje, não há evidências científicas que justifiquem o agendamento de uma cesariana, salvo algum risco claro para a saúde da mãe e do bebê “, diz em nota a coordenadora do projeto Parto Adequado na ANS, Jacqueline Torres.

Para evitar cirurgias precoces, o Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou resolução em 2016 determinando que as cesáreas só podem ser realizadas a partir da 39ª semana de gestação. Antes, a entidade liberava a cirurgia a partir da 37ª semana.

Fases do bebê – Agência Nacional de Saúde Suplementa ANS/Divulgação
Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)