Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Letra de Médico Por Cilene Pereira Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil

O efeito zoom na autoestima

Mulheres que manifestavam características de auto objetificação descreveram maior insatisfação com a própria imagem em videochamadas

Por Alaor Carlos de Oliveira Neto 16 Maio 2022, 15h53

Em 2018 o Magazine Luiza pronunciou-se sobre mensagens recebidas em seu site com conteúdo de assédio sexual direcionadas a sua assistente virtual de vendas. Sim, um personagem fictício, criado para fins comerciais, teve a imagem objetificada em apelo sexual por pessoas reais. A vítima neste cenário não existe, mas o assédio sofrido por mulheres diariamente é real. O que a ciência nos mostra é que o desafio da mulher contemporânea em se proteger da tendência da sociedade (o que inclui ela própria) em objetificá-la é muito maior e traz mais repercussões psíquicas do que poderíamos imaginar.

Consideramos um comportamento humano natural a busca de aprovação por outras pessoas pela aparência. Pessoas preocupam-se com sua apresentação física para ganhos dentro de suas relações profissionais e pessoais. A relação das pessoas com sua própria imagem sofreu modificações em uma velocidade frenética desde a revolução experimentada pela comunicação nos últimos 30 anos, criando uma complexa e intrincada interação humana no plano virtual. Estima-se que mais da metade da população mundial participe de algum tipo de rede social. Isso permite haver aumento significativo das vivências de exposição e, por conseguinte, de objetificação de tais vivências.

Os atributos físicos do indivíduo passam a defini-lo como identidade e a própria pessoa passa a analisar a si de um ponto de vista observacional, enfatizando seus atributos corporais em detrimento de suas características psicológicas.

Uma consequência possível disso é a experiência negativa relacionada à vivência do próprio corpo, no qual a mulher pode apresentar sensação de insatisfação com sua aparência e isso repercutir no aumento de seus índices de ansiedade, no surgimento de distúrbios da imagem corporal, fragilidade na autoestima, além de sintomas de humor, transtornos alimentares e quadros de disfunção sexual.

Durante a pandemia da Covid-19 observou-se a intensificação da experiência de videochamadas em atividades de trabalho, educacionais e de lazer. Com isso, houve aumento tanto da vivência de exposição visual – situação potencial de objetificação – como da visão de si mesmo – situação potencial de auto objetificação e de comparação da própria aparência com outros. Apesar da preocupação inicial, os estudos realizados n demonstraram que as mulheres em geral não apresentaram maior tendência a descontentamento com a própria aparência em decorrência do maior tempo envolvidas em videochamadas, todavia aquelas que já referiam características de auto objetificação descreveram maior insatisfação com a própria imagem, além de maior dificuldade de concentração.

Continua após a publicidade

Tais questionamentos e constatações levam-nos a refletir sobre os cuidados necessários para uma vida mais saudável. A atenção com a autoimagem é importante, desde que não nos tornemos reféns de nossa própria imagem. Atente-se às vivências em primeira pessoa e não em ser um personagem de si mesmo. Mais vale uma lembrança permeada de emoção em nossa memória do que uma selfie com filtro de celular de um momento especial e esquecido em alguma postagem de rede social. Viver é aqui e agora.

REFERÊNCIA:

– Chen S, van Tilburg WAP, Leman PJ. Self-objectification in women predicts approval motivation in online self-presentation. British Journal of Social Psychology (2022), 61, 366-388. DOI:10.1111/bjso.12485

– Pfund GN, Hill PL, Harriger J. Video chatting and appearance satisfaction during COVID-19: Appearance comparisons and self-objectification as moderators. Int J Eat Disord. 2020; 53(12): 2038-2043. DOI: 10.1002/eat.23393

Letra de Médico - Alaor Carlos de Oliveira Neto
./.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)