Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Pandemia mudou a cabeça dos brasileiros

A crise pandêmica está mudando a compreensão do papel do Estado e, também, das prioridades no uso dos impostos para reduzir desigualdades no país

Por José Casado Atualizado em 31 Maio 2021, 10h52 - Publicado em 31 Maio 2021, 09h00

A pandemia está mudando a compreensão das pessoas sobre papel do Estado no desenvolvimento social e, também, das prioridades governamentais no uso dinheiro dos impostos para reduzir desigualdades no país.

É o que mostra uma pesquisa do instituto DataFolha para a seção brasileira da Oxfam, organização não governamental nascida em 1942 no Reino Unido para socorrer vítimas da ocupação nazista na Grécia. A Oxfam atua no Brasil desde o final da década de 60 do século passado.

É o terceiro levantamento anual sobre como os brasileiros percebem suas desigualdades de renda, de raça, de gênero e entre regiões. Foram feitas 2.079 entrevistas presenciais em 130 municípios, na primeira quinzena de dezembro, com duração média de 20 minutos.

Para ampla maioria (86% dos entrevistados), a principal condicionante da prosperidade do país é a redução da desigualdade social.

DataFolha/Oxfam, dezembro 2020
DataFolha/Oxfam, dezembro 2020/VEJA

Ela se reflete no sistema tributário. Quase todos (94%) entendem ser necessário um aumento nos impostos para os mais ricos para “beneficiar, principalmente, a educação, moradia e saúde dos mais pobres”. Há concordância total (82%) e parcial (12%) com essa ideia.

O papel do governo nesse tipo de iniciativa política ganhou relevo na pandemia.

Em dezembro, a maioria (56%) concordava que governantes deveriam tomar a iniciativa de aumentar a tributação dos ricos, com o objetivo expresso de melhorar as condições educacionais, sanitárias e habitacionais dos pobres. Outros (43%) discordavam.

O efeito pandêmico é notável, comparados aos resultados da pesquisa anterior, realizada em fevereiro de 2019. A aprovação, nesse caso, saltou de 31% para 56% em meio à catástrofe da Covid-19.

Em contrapartida, perdeu força o apoio à noção de oferta de serviços estatais gratuitos de saúde e educação para todos, independente da condição de renda.

Em fevereiro de 2019, a maioria (75%) consideravam que a oferta pública de escolas de ensino fundamental e médio deveria ser universal, não importava a renda individual ou familiar. Para minoria (22%), elas deveriam ser direcionadas somente para quem não pudesse pagar.

Continua após a publicidade

Mudou essa maioria a favor do ensino público universal e gratuito. Ficou menor (69%) na pandemia. E cresceu (29%) a quantidade dos que passaram a entender que a prioridade do sistema público de educação deve ser quem não pode pagar.

A tendência é perceptível quanto à oferta universal e gratuita para todos de creches (o apoio caiu de 64% para 58%); de escolas de ensino fundamental e médio (declínio de 75% para 69%); e, também, de educação universitária (recuo de 64% para 59%), entre fevereiro de 2019 e dezembro de 2020.

 

DataFolha/Oxfam, dezembro 2020
DataFolha/Oxfam, dezembro 2020/VEJA

 

Na Saúde é diferente. Permanece estável (72%) a defesa de serviços estatais grátis e para todos.

Há nuances. Reduziu-se o apoio da maioria (de 70% para 65%) a favor da gratuidade de serviços de cirurgia e tratamento de doenças graves ou mesmo de exames médicos (de 68% para 62%), sem considerar o nível de renda individual ou familiar.

Cresceu (de 30% para 37%) a proporção de pessoas com a opinião de que os mais ricos precisam ser cobrados e pagar pela assistência no sistema de saúde.

Numa listagem de iniciativas com potencial de diminuir a distância entre os brasileiros mais ricos e os mais pobres, três foram destacados pelos entrevistados: combate à corrupção, investimento público em educação e garantia de direitos iguais entre homens e mulheres.

+ Mercado vê crescimento do PIB próximo dos 4% e inflação acima do teto

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês