Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

O som e o valor do silêncio

Bolsonaro seria um poeta se guardasse silêncio sobre a China, o Partido Democrata, a França, a Alemanha...

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 3 jun 2021, 10h00 - Publicado em 3 jun 2021, 10h00

Há uma preciosidade na rede, músicas inéditas do baiano João Gilberto em duo com Astrud Gilberto, coletadas pelo Instituto Moreira Salles.

Quem gosta deve escutar, quem não gosta também deveria, até para conhecer um pouco do que ocorre na produção de um clássico. E são vários.

Um deles é Brigas, nunca mais, de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, lançada em 1959 no disco Chega de Saudade, a decolagem da bossa nova. É possível ouvir a crítica do intérprete João: “Essa letra pode não ser profunda, mas os sons das palavras são bons.”

Outro é Doralice, de Dorival Caymmi e Antônio Almeida, regravada no disco Getz/Gilberto, lançado em 1964, quando o Brasil submergia num golpe militar.

João Gilberto estava em Manhattan, epicentro de um mundo em Guerra Fria, e Jair Bolsonaro era apenas um garoto descalço nas ruas de Ribeira (SP), a oito mil quilômetros de distância.

Continua após a publicidade

Numa segunda-feira, conta Ruy Castro em “Chega de saudade”, cinco homens e uma mulher entraram no 112-Oeste da Rua 48, Nova York.

Há meses, Astrud Gilberto (voz), Antonio Carlos Jobim (piano), Tião Neto (baixo), Milton Banana (bateria), João Gilberto (violão) e Stan Getz (sax) lutavam para apresentar a bossa nova ao público.

Nos ensaios faltou sintonia entre Getz e João. O baiano de Juazeiro explodiu: “Tom, diga a esse gringo que ele é burro.”

O carioca Jobim ouviu, virou-se para Getz e traduziu: “Stan, o João está dizendo que o sonho dele sempre foi gravar com você.”

Continua após a publicidade

Foi um dos grandes momentos da diplomacia brasileira: o disco “Getz/Gilberto” abriu o mercado dos EUA e da Europa para a bossa nova.

Bolsonaro não possui átomo da genialidade diplomática de Jobim. Nem se espera que ouça — ou goste— de João Gilberto, Tom Jobim, Stan Getz ou de bossa nova.

Mas seria um poeta se guardasse silêncio sobre a China, o Partido Democrata, a França, a Alemanha… até o último dia do seu mandato na presidência. Ajudaria os profissionais do Itamaraty com o som e o valor do seu silêncio na política externa.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.