Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

O que os eleitores paulistas querem numa privatização

A abordagem do eleitorado paulista sobre a venda de empresas estatais se revela fundamentalmente pragmática nessa temporada eleitoral

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 12 abr 2022, 13h16 - Publicado em 12 abr 2022, 13h00

Eleitor paulista é pragmático. Costuma dar preferência no voto a candidatos que acenam com melhores perspectivas para o seu padrão de vida, aumentando o poder de compra do dinheiro que leva no bolso.

A abordagem paulista sobre privatizações se revela fundamentalmente pragmática nessa temporada eleitoral. Os donos do voto aparentam distanciamento das motivações políticas ou ideológicas que têm pautado o tema nos debates eleitorais das últimas três décadas.

No cardápio do governo paulista de empresas estatais passíveis de venda ao setor privado se destaca a Sabesp, valiosa empresa de água, coleta e tratamento de esgotos com 28 milhões de clientes, entre pessoas e empresas localizadas em 363 municípios.

É controlada pelo governo estadual (50,3% do capital) e tem ações negociadas nas bolsas de São Paulo (34,4%) e de Nova York (15,3%). Opera com 12 mil empregados, grande parte associada a sindicatos vinculados à Central Única dos Trabalhadores (CUT), braço sindical do Partido dos Trabalhadores. Ano passado faturou R$ 19 bilhões e lucrou R$ 2,3 bilhões.

“O sr. (a.) é a favor ou contra a privatização da Sabesp?”, perguntou o Ipespe a mil eleitores paulistas na terça e quarta-feira da semana passada, por telefone.

Continua após a publicidade

A maioria (44%) respondeu “contra” a venda da empresa estatal, projeto anunciado para 2023 e defendido por alguns dos candidatos ao governo paulista. Parte (35%) declarou ser “a favor”. Outros (21%) não souberam se posicionar ou não quiseram responder na pesquisa com margem de erro de 3,2 pontos percentuais.

Na sequência, os entrevistados foram estimulados a delinear sua intuição do que aconteceria com as contas domésticas de água e esgotos: “Caso a Sabesp seja privatizada as tarifas de água e esgoto irão…”

Aumentar foi a resposta da maioria (46%). Poucos (16%) veem chance de diminuir os custos e outros (27%) supõem que nada mudaria.

.
(./VEJA)

“E caso a privatização resulte em diminuição das tarifas cobradas, o sr(a). seria a favor ou contra a sua privatização?” — provocou o Ipespe.

Então, os eleitores paulistas mudaram radicalmente de posição: ampla maioria (62%) passou a ser favorável à privatização da Sabesp. O grupo “contra” ficou minoritário (28%).

Com pouco mais de 33 milhões de votos disponíveis, São Paulo é o maior colégio eleitoral brasileiro. O caso Sabesp pode ser referência do espírito pragmático do eleitorado na disputa de ideias sobre a revisão do papel do Estado no próximo governo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.