Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

O buraco bilionário da usina nuclear Angra III completa 37 anos

Retomada das obras estava prevista para este ano mas, agora, depende da solução de impasses na licitação feita pela Eletronuclear há três semanas

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 19 ago 2021, 12h26 - Publicado em 19 ago 2021, 09h30

O buraco aberto para a usina nuclear Angra III, em Angra dos Reis (RJ), está completando 37 anos. Nele já foram enterrados mais de US$ 2 bilhões, o equivalente a R$ 10,6 bilhões.

É um dos mais antigos empreendimentos públicos não concluídos — há outros 34 mil espalhados pelo país no censo anual feito pelo Tribunal de Contas da União.

Segundo o governo, 65% do projeto de construção estão prontos desde 2015. A estatal Eletronuclear, do grupo Eletrobras, planeja reiniciar as obras civis e a montagem eletromecânica ainda neste ano.

Sua aposta na inauguração da usina em 2026 é parte de um plano ambicioso para multiplicar por sete a atual capacidade de geração (1,9 GW), com reatores modulares e micros. De certa forma, ecoa o projeto nuclear autônomo da era Ernesto Geisel, na ditadura militar, que custou uma fábula e acabou enterrado. As perspectivas de financiamento dessa nova versão dependem, em parte, da competência da empresa em transformar o buraco de Angra III numa usina operacional.

Continua após a publicidade

Há três semanas a Eletronuclear promoveu uma licitação para conclusão das obras e montagem. Na aparência, foi um êxito financeiro: terminar o projeto vai custar US$ 40 milhões, ou R$ 212 milhões, ao caixa da estatal, um preço 16% abaixo do limite que se dispôs a pagar.

Os problemas começaram nos resultados, em contestações à suposta inexperiência do consórcio vencedor (Ferreira Guedes e Matricial, com a alemã ADtranz). Foram ampliados com a descoberta da repórter Tânia Malheiros sobre vínculos das empreiteiras nacionais com um desastre, o desabamento de um viaduto em Fortaleza, em 2016, além de envolvimento em investigações da Operação Lava Jato.

É novo capítulo no histórico do buraco de Angra III.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.