Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

No escuro

É preciso iluminar os porões da política para conter o crime organizado

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 10h15 - Publicado em 27 out 2023, 06h00

O crime organizado avança no Brasil que Lula governa pela terceira vez nos últimos vinte anos. Ele voltou ao poder há dez meses com projetos para reformar a ONU, acabar com as guerras e a fome, salvar a Amazônia e o Mercosul, mas ainda não encontrou um plano para lidar com a insegurança pública em um dos lugares mais letais do planeta, onde 47 000 pessoas foram assassinadas no ano passado.

— Quando fiz a campanha, eu ia criar o Ministério da Segurança Pública — lembrou na terça-feira (24/10), o dia seguinte em que milícias incendiaram 35 ônibus, um trem e dominaram bairros da Zona Oeste do Rio, moradia de quatro em cada dez cariocas.

— Ainda estou pensando em criar — disse divagando ao repórter Marcos Uchôa, da rede estatal de rádio e televisão. — Estou pensando quais são as condições, como é que vai interagir com a questão de segurança do Estado…

Completou: — …Porque o problema da segurança é estadual.

Deixou de ser há muito tempo, comprovam os mapas do aumento de mortes violentas de Norte a Sul (Amazonas ao Rio) e de Leste a Oeste (Bahia ao Acre).

Lula estava no Palácio do Planalto em 2005, quando a repórter Vera Araújo registrou em O Globo o nascimento do primeiro grupo de policiais vendendo proteção a moradores do Rio. Cobravam “doações” para manter o narcotráfico fora das ruas de Jacarepaguá, na Zona Oeste. Ocupado em sobreviver à crise do mensalão para se reeleger no ano seguinte, manteve-se equidistante do referendo daquele 23 de outubro: 63% dos eleitores rejeitaram a proibição do comércio de armas no país.

Continua após a publicidade

Dezoito anos depois, estava no Rio consternado com a 24ª morte de criança na rotina de mais de 400 tiroteios por ano em volta de escolas da região metropolitana. Era agosto, e Lula discursou: — O crime organizado está tomando conta do país.

O Rio é apenas a vitrine cosmopolita do avanço do crime organizado no país que ele governa. Moderna tradução do estado miliciano, condensa a versão tropicalizada da guerra dos cartéis mexicanos pelo domínio de comunidades relevantes na logística do contrabando de drogas, cigarros e armas, e na exploração de serviços de construção, transporte, gás, luz, televisão a cabo e internet.

“É preciso iluminar os porões da política para conter o crime organizado”

É o lugar onde mais florescem grupos armados sob patrocínio estatal, na simbiose de máfias de policiais e de narcotraficantes com grupos políticos beneficiários. Avançam não apenas em territórios marcados pela ausência do Estado, mas, também, em espaços institucionais — governo, Legislativo e Judiciário. Há poucos meses, um ex-chefe da polícia fluminense (2009-2011 e 2020-2022), Allan Turnowski, estava em campanha para se eleger deputado federal pela fração bolsonarista do Partido Liberal quando foi preso como agente duplo, acusado de servir à lei e ao crime.

Prevalece a cegueira deliberada. O governo federal empurra o problema da insegurança pública para os governos estaduais, que devolvem com a cobrança de mais vigilância e repressão nos 15 000 quilômetros de fronteira seca com dez países vizinhos na América do Sul. Nesse vácuo, o “PIB do crime” se expande, com narcomilícias virando empregadoras relevantes na periferia das cidades do Rio, da Bahia e da Amazônia.

Continua após a publicidade

Gasta-se muito dinheiro público, cerca de meio bilhão de reais em softwares para espionagem supostamente legalizada, mas não há banco de dados nacional sobre o crime organizado. A Polícia Federal monitora os corredores logísticos entre o Brasil, Paraguai, Bolívia e o Peru, cujo controle garantiu ao PCC e ao Comando Vermelho status de máfias transnacionais. As ações sobre as finanças das máfias, no entanto, são episódicas.

Não falta informação. Em abril do ano passado, o governo do Paraguai enviou aos Estados Unidos um relatório (MARA041922IE) sobre a lavanderia de dinheiro do ex-presidente paraguaio Horacio Cartes, classificado em documentos americanos como “significativamente corrupto”, com o sócio brasileiro Dario Messer, preso na Lava-Jato. Num trecho, realça comunicado da Espanha sobre o obscuro fluxo de 121 milhões de dólares, equivalentes a 600 milhões de reais, do banco paraguaio Amambay, propriedade de Cartes, para contas no espanhol Santander, depois de escala no brasileiro Banco Paulista.

Para conter o avanço do crime organizado é preciso iluminar os porões da política nacional e dos vínculos com parte das elites de países vizinhos. A alternativa é a cegueira deliberada. O problema, nesse caso, é a realidade. Ela não deixa de existir, mesmo quando ignorada.

Os textos dos colunistas não refletem, necessariamente, a opinião de VEJA

Publicado em VEJA de 27 de outubro de 2023, edição nº 2865

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.