Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Na conta de luz, a única certeza é o improviso

“Bandeira de escassez hídrica” representou aumento de R$ 14,20. Foi decidida em 24 horas, sem aviso prévio. Vale até abril de 2022, com seca ou com chuva

Por José Casado Atualizado em 30 set 2021, 13h55 - Publicado em 30 set 2021, 08h30

Setembro terminou sem novos improvisos do governo. É boa notícia.

No último 31 de agosto, por exemplo, os consumidores de energia foram surpreendidos com a imposição de uma nova taxa na conta de luz valendo para o dia seguinte, 1º de setembro.

A inovação da “bandeira de escassez hídrica” significou um aumento de R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora consumidos. Foi decidida e anunciada num espaço de 24 horas, sem aviso prévio. E tem validade até abril do ano que vem, chova ou continue a seca.

Não se conhece o método pelo qual o governo chegou ao adicional de R$ 14,20 nessa quarta “bandeira” descolorida — a outras são verde, amarela e vermelha.

Na segunda quinzena de agosto, a agência reguladora Aneel considerava conveniente uma taxa extra de quase R$ 25 a cada 100 kWh consumidos.

Hoje, se completam quatro semanas sem novos improvisos governamentais na conta de luz.

Outubro vai começar com duas certezas para os consumidores: a política do improviso continua, e, como cantava o poeta Chico Buarque, amanhã vai ser outro dia…

Continua após a publicidade

Publicidade