Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Lula e El Loco

Intervenção do Brasil na guerra eleitoral argentina tem custo

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 20 out 2023, 11h48 - Publicado em 20 out 2023, 06h00

— Ele está mais “louquito” que o Bolsonaro — disse Lula sobre Javier Milei, candidato da extrema direita na eleição presidencial da Argentina. O governista Sergio Massa, ministro da Economia, gostou da ironia sobre o adversário que é conhecido como El Loco.

— Deixa de procurar dólares e vá atrás de votos — insistiu Lula, como relatou Massa a jornalistas na viagem de volta a Buenos Aires naquela quente e seca segunda-feira 28 de agosto.

— Todos estão trabalhando? Eles sabem da importância do que têm pela frente? Se a direita ganhar será um retrocesso de quarenta anos na América Latina…

— Sim, presidente. Estão todos trabalhando — respondeu Massa, anotou a repórter Melisa Molina.

— Faça o que tiver que fazer, mas ganhe — retrucou incisivo, com a experiência de três vitórias em 34 anos de disputas presidenciais.

Lula apostou no candidato do condomínio peronista, desde o início rachado na luta por espaços de poder entre o presidente Alberto Fernández e a vice Cristina Kirchner. Perdeu com eles na primeira rodada, a eleição prévia de agosto, quando os dois principais candidatos da oposição somaram dois terços do eleitorado. Massa ficou em terceiro lugar, com 27% dos votos.

Continua após a publicidade

Se Massa perder a eleição, Lula estará com um sério problema na política externa, já convulsionada pelas guerras da Rússia e de Israel: a vizinha Argentina terá um novo governo, que há meses ele hostiliza e qualifica como ameaça de “retrocesso de quarenta anos na América Latina” — seja do “louquito” Milei ou da conservadora Patricia Bullrich, aliada do ex-­presidente Mauricio Macri. Sem Massa no páreo, um deles assumiria a Presidência no dia 10 de dezembro.

Lula entrou conscientemente num jogo de alto risco ao se meter na campanha do peronismo. Ano passado, pediu ao embaixador argentino Daniel Scioli informações e uma coletânea de discursos do então deputado Milei. “Me surpreendeu”, registrou Scioli em livro de memórias. “Me disse que as pessoas estavam muito decepcionadas com a política, que entre os jovens o ‘voto de rebeldia’ estava sólido e entendia que, para muitos deles, Milei os representava.”

“Intervenção do Brasil na guerra eleitoral argentina tem custo”

O peronismo é o conglomerado político mais complexo da história, na bem-humorada definição do diplomata Marcos Azambuja. Aos 78 anos, esse movimento exibe inédita fragilidade. A implosão da organização sindical do trabalho, origem e base da sua eficiente máquina eleitoral, fragmentou um eleitorado cujo comportamento se mantinha homogêneo desde a formatação, em outubro de 1945, sob o poder absoluto do coronel do Exército Juan Domingo Perón.

Apatia e deserção alentaram o antiperonismo. Foram os pobres que impulsionaram Milei e Bullrich no voto de rebeldia contra a degradação social e econômica. O candidato Massa é ministro da Economia de um país com aumento recorde na produção de pobreza (40% da população) e, paradoxalmente, no gasto público em subsídios às despesas familiares com energia, transporte, saúde e educação. A hiperinflação é apenas expressão matemática de um desajuste político. Os preços já não descrevem os riscos no descontrole do presente, embutem o medo coletivo sobre o futu­ro. Em ação “preventiva”, por exemplo, empresas de alimentos e bebidas anunciam aumentos acima de 30% para o dia seguinte à eleição, não importa o vencedor.

Continua após a publicidade

Lula jogou com o peso do Brasil numa intervenção eleitoral na Argentina. Produziu com Fernández uma espécie de “plano de governo binacional”, registrou em livro o embaixador Scioli. Pediu ajuda financeira à China, aos Estados Unidos e aos governos que integram o clube do Brics. Foi a Paris insinuar, em discurso, um conluio para corrupção entre o ex-presidente Macri, patrono da candidatura de Bullrich, e o FMI: “À Argentina, da forma mais irresponsável, o FMI emprestou 44 bilhões de dólares a um senhor (Macri) que era o presidente, e não se sabe o que (ele) fez com o dinheiro”. Na sequência, como relatou a repórter Vera Rosa, mobilizou a Corporação Andina de Fomento, onde o Brasil tem voz e voto, e o Banco do Brasil numa bilionária operação de socorro ao governo argentino. E enviou assessores de campanhas petistas a Buenos Aires para “ajudar na comunicação” do candidato Massa.

Ele atravessou a fronteira sul e atropelou os manuais de prudência política e diplomática para fazer aquilo que, muito provavelmente, condenaria com veemência se qualquer governo estrangeiro fizesse no seu país: tomou partido na guerra eleitoral dos argentinos. O tango de Lula pode custar caro ao Brasil.

Os textos dos colunistas não refletem, necessariamente, a opinião de VEJA

Publicado em VEJA de 20 de outubro de 2023, edição nº 2864

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.