Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Bolsonaro joga a toalha na avenida, Lula constrói ponte à direita

Multidão reunida em torno de Jair Bolsonaro na avenida Paulista confirmou um fato: a esquerda perdeu o monopólio das ruas e não consegue resgatá-lo

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 10h00 - Publicado em 27 fev 2024, 08h00

Lula, o PT e aliados começaram a semana exalando surpresa com a multidão reunida em torno de Jair Bolsonaro na tarde de domingo (25/2) no meio da avenida Paulista.

Eles têm bons motivos para preocupação, e Bolsonaro é o menor deles, porque já é um fato consumado na política. Está inelegível até 2030 e sem perspectiva de poder, pecado capital na política.

Bolsonaro jogou a toalha na avenida: “Pedimos a todos os 513 deputados e 81 senadores um projeto de anistia, para que seja feita justiça em nosso Brasil” — rogou, perfilando-se aos “pobres coitados”, como qualificou os seguidores já condenados nos processos da insurreição de 8 de janeiro.

A fotografia da multidão em amarelo sob o sol na Paulista funcionou como bálsamo na prisão emocional que admitiu estar vivendo. Foi evento fugaz, que nada mudou para o protagonista, nem sinalizou mudança no horizonte.

A Bolsonaro resta vaga esperança na ampliação da bancada aliada no Senado, em 2026, para batalhar por eventual anistia, ou, simplesmente, a crença em algo abstrato, a fé: “O futuro a Deus pertence”, lembrou no comício.

Continua após a publicidade

Lula, PT e aliados, no entanto, mostraram-se surpreendidos com a multidão reunida. Evitam admitir em público, mas na Paulista confirmou-se um fato: a esquerda perdeu o monopólio das ruas e não consegue resgatá-lo, apesar da vitória eleitoral (a quinta em nove eleições presidenciais em três décadas) e das alegorias políticas que ornamentam o terceiro governo Lula.

O efeito disso para o PT e partidos satélites será mensurável nas urnas dentro de sete meses, nas eleições municipais. Lula continua animando o auditório da esquerda, mas se dedica a abrir uma trilha alternativa com partidos da direita, em cima de acordos como o da semana passada para liberação de 14,5 bilhões em verbas orçamentárias até agosto, com impacto previsível nas campanhas de candidatos a prefeito e vereador.

À margem do alarido dos discursos, muitas vezes atropelando a realidade, a própria biografia e a História, ele se mostra empenhado em construir uma ponte para o futuro do lulismo à direita — sem Bolsonaro no horizonte.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.