Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Isabela Boscov

Por Coluna
Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Star Trek: Sem Fronteiras

Terceiro filme da saga é simpático, mas é um entreato que chegou antes da hora

Por Isabela Boscov Atualizado em 13 jan 2017, 18h13 - Publicado em 1 set 2016, 21h04

É quase como assistir à versão longa de algum dos oitenta episódios da série original, a que foi exibida entre 1966 e 1969: os cenários são uma imitação mais caprichada daqueles planetas de cartolina dos quais o capitão Kirk e o sr. Spock tinham de sair correndo toda semana, a Enterprise apanha feio, o motor pifa e quase não volta a funcionar, os membros da tripulação se desgarram uns dos outros e trocam muitas farpas e one-liners entre si. Star Trek: Sem Fronteiras é o mais familiar, o mais afetivo e o mais passadista dos filmes da série relançada em 2009 – e contém todas as vantagens e desvantagens que essa abordagem pode trazer a um terceiro capítulo, aquele meio de caminho que tradicionalmente constitui o momento mais delicado na vida de uma franquia.

null

Depois de uma volta às origens do time em Star Trek (2009) e de tanta ação em escala intergaláctica em Além da Escuridão: Star Trek (2013), deve ter parecido lógico e natural que, agora, Kirk & cia. fizessem um inventário de suas atividades até aqui, e começassem a pensar no que o futuro pode trazer que não seja mera repetição do que eles já viveram. Mas eu me pergunto se essa pausa para balanço não chegou antes da hora: sob o comando do diretor Justin Lin, de quatro Velozes e Furiosos, Sem Fronteiras escapa cedo demais da trajetória traçada por J.J. Abrams. Com tudo que tem de prazeroso, este filme tolhe a saga antes de ela ter atingido sua envergadura plena, e muda o tom antes que a ambição com que se acenara até aqui tenha rendido todos os seus frutos. É um entreato necessário – mas colocado na ordem incorreta.

divulgação

Continua após a publicidade

Não que eu tenha formulado esse raciocínio enquanto via o filme: com roteiro co-escrito pelo inglês Simon Pegg, o sempre impagável oficial mecânico Scotty, Sem Fronteiras flui bem e é saboroso. Os diálogos são uma delícia, e a habilidade de Justin Lin para equilibrar as participações do elenco é incontestável. Pegg e Karl Urban (o dr. McCoy) continuam sendo meus favoritos, mas Sofia Boutella, a marroquina que fazia Gazelle, a assassina com próteses de lâminas em Kingsman: Serviço Secreto, é um achado como Jaylah, a garota extraviada no planeta distante em que a Enterprise vai realizar uma malfadada missão de resgate. Como sempre, aliás, a certa altura a Enterprise fica aos pedaços, e a cena da sua destruição é uma beleza. Mas ela é uma exceção: as cenas de ação tendem a ser confusas (em vez de grandiosas, como nos dois primeiros filmes) e o vilão interpretado por Idris Elba – irreconhecível – é uma decepção.

divulgação

É nele que se percebe como este episódio se apequena em relação aos anteriores: Krall é um desses vilões “da semana”, e o tema que ele coloca em pauta é tão contra-intuitivo que demora-se a entender sua queixa (Krall é uma espécie de terrorista do Isis sideral; ele reclama que a Federação, com seus ideais de paz impostos por meio de patrulha, é uma entidade colonialista que pretende extinguir seu modo de vida violento). Em sua encarnação cinematográfica,  é uma ideia que só se prova grande quando é grande também a ameaça a ser enfrentada. E, por mais simpática que seja a interação entre os personagens, e por mais bonita que seja a homenagem à tripulação original e especialmente a Leonard Nimoy, que morreu em 2015 (Anton Yelchin, morto em junho, ganha uma dedicatória nos créditos finais), essa é a matéria-prima dos seriados de Star Trek para a TV. No cinema, simpatia, um vilão queixoso e um planetinha perdido nos confins do universo são muito pouco.

Continua após a publicidade

divulgação


Trailer

STAR TREK: SEM FRONTEIRAS
(Star Trek Beyond)
Estados Unidos, 2016
Direção: Justin Lin
Com Chris Pine, Zachary Quinto, Simon Pegg, Karl Urban, Idris Elba, John Cho, Zoe Saldana, Sofia Boutella, Anton Yelchin

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.