Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Impacto

Por Jennifer Ann Thomas
Respirou, causou. Toda e qualquer ação transforma o mundo ao nosso redor.
Continua após publicidade

Brasileiros pagariam mais em passagem aérea para compensar CO2

Até 2050, o setor da aviação civil deverá produzir um quinto das emissões globais de gás carbono

Por Jennifer Ann Thomas Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 21 Maio 2019, 16h21 - Publicado em 21 Maio 2019, 15h43

No primeiro trimestre deste ano, a demanda por voos domésticos cresceu 4,3%, em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo informações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). No mercado mundial, 2016 registrou 3.8 bilhões de passageiros e, de acordo com a Associação Internacional de Transporte Aéreo, organização global com sede no Canadá, a previsão é que o número chegue a 7.2 bilhões até 2035.

O aumento da demanda reflete o crescimento da população global e os preços de passagens aéreas mais acessíveis. De acordo com o Grupo de Ação de Transporte Aéreo, associação suíça sem fins lucrativos, a indústria da aviação produz 2% de todas as emissões de CO2.  Especificamente com relação ao setor de transportes, a aviação civil corresponde a 12% da poluição, sendo que os meios rodoviários sozinhos somam 74%.

Com a tendência em vista, a agência IDEIA Big Data fez uma pesquisa para a rede de organizações brasileiras Aliança REDD+. A rede trabalha para atrair novos investimentos para combater o desmatamento ilegal e gerar recursos para o governo e comunidades. Nos dez primeiros dias de abril, foram entrevistados 800 passageiros de voos internacionais. A maioria respondeu que está disposta a pagar um pouco mais na tarifa se o valor for usado para compensar o lançamento de CO2 na atmosfera causado pela viagem.

Alguns números do estudo:

  • 89% dos entrevistados não conseguiram citar nenhuma companhia que tenha preocupação com a redução de carbono ou compensação;
  • 52% não opinaram sobre a afirmação de que as companhias estão prejudicando o meio ambiente;
  • 75% admitiram que voar com uma companhia área que se preocupa com a redução de carbono é importante;
  • 68% dos respondentes mostraram disposição de pagar entre 5 e 8 reais a mais por bilhete se soubessem que o valor seria revertido para a redução ou compensação das emissões de carbono do seu voo;
  • 18% não estão dispostos a pagar a mais por isso.

A Aliança REDD+ é formada por diversas instituições, como BVRio (Bolsa de Valores Ambientais do Rio de Janeiro), Biofílica Investimentos Ambientais, Fundação Amazonas Sustentável (FAS), Instituto Centro de Vida (ICV), Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam) e Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

No fim de 2018, a Anac divulgou a informação de que iria monitorar e verificar “o volume anual de emissões de dióxido de carbono (CO2) proveniente do transporte aéreo internacional dos operadores aéreos brasileiros para envio dos dados à Organização da Aviação Civil Internacional (OACI)” a partir deste ano. Ainda de acordo com a agência, “o país começa a preparar o caminho para adoção do Mecanismo de Redução e Compensação das Emissões de Carbono da Aviação Internacional (Corsia), que tem a finalidade ambiental de garantir a neutralização das emissões de CO2 na aviação internacional a partir de 2020”. 

De acordo com o gerente de Mudanças Climáticas do Idesam, Pedro Soares, “se a aviação civil internacional fosse um país, já estaria entre os dez maiores emissores do planeta. É urgente atacar essa questão de forma imediata”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.