Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Holofote Por Silvio Navarro Os personagens que estão no centro do poder. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Lula e o Brasil que virá

Prisão do ex-presidente pode mudar a 'ideia', como ele diz, de um país sem lei

Por Silvio Navarro Atualizado em 9 abr 2018, 00h17 - Publicado em 7 abr 2018, 21h16

Eram cerca de 18h40 do dia 7 de abril de 2018 quando o ex-presidente Lula passou a ser o cidadão Luiz Inácio Lula da Silva. Conduzido pela Polícia Federal para cumprir pena de mais de doze anos de prisão pelos crimes desvendados pela Operação Lava Jato, o petista vai responder pela condenação — outras ações penais estão em curso — como qualquer um dos milhões de brasileiros que ele afirmou no teatral “showmissa” ter colocado na universidade, tirado da miséria e que passaram a se deslocar de avião na década passada. Pelo céu, aliás, Lula foi transferido de São Paulo para Curitiba num helicóptero, algo que nenhum dos brasileiros que ele citou jamais teria tamanho translado desde o chão de fábrica. Os “engravatados” que o petista criticou, sim, os donos das maiores empreiteiras do país, com quem ele e seu PT se locupletaram, voltaram a ser alvos da bravata do “nós contra eles”, tal qual — sempre — a “culpada” imprensa.

Sobre a prisão do mais importante mandatário da Nação na história democrática por crime comum, os livros lembrarão. E não se falará nas páginas do futuro de um crime político, mas sim por corrupção e lavagem de dinheiro — e vai além de uma foto, que, aliás, é bastante educativa.

A prisão do petista deveria ser sistólica. Se o ex-metalúrgico que criou um dos maiores partidos do Brasil, eleito e reeleito com índices de aprovação jamais vistos, que levou ao poder quem quis e foi capaz de governar com políticos que deveriam estar na cela também está preso… Amanhã, o brasileiro deveria pensar duas vezes antes de furar a fila do banco e da farmácia, antes de tentar driblar o Imposto de Renda ou enganar o vizinho. O Brasil mudou? Seria otimista demais pensar que o país acordou e cresceu. Mas a prisão do homem que diz “não ser mais um ser humano, mas uma ideia” deixa, de fato, uma ideia: a de que lei e ordem aqui na república da jabuticaba, ainda que com atraso de 26 horas até a sua prisão, finalmente prevaleceram. Isso, talvez, seja um alento.

Será uma noite dura para Lula. Mas também será para Renan, Jucá, Sarney, Eunício, Aécio e quem mais sempre esteve acostumado com a impunidade. Quem sabe a “ideia” tenha mudado — e para sempre.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês