Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

3 filmes imperdíveis que entraram na surdina na Netflix

Produções variadas, entre elas algumas que não passaram pelos cinemas, foram adicionadas recentemente à plataforma

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 6 out 2022, 17h59 - Publicado em 6 out 2022, 10h30

A Netflix adicionou na última semana diversos novos filmes ao seu catálogo, alguns logo subiram para a lista de mais assistidos, outros ainda estão apagados no vasto portfólio da plataforma. Confira a seguir três ótimas produções que chegaram sem fazer barulho ao site:

Queen & Slim (2019)

O filme protagonizado por Jodie Turner-Smith e Daniel Kaluuya não passou pelos cinemas brasileiros – e, por isso, nem teve a chance de fazer por aqui o barulho que causou nos Estados Unidos. Na trama carregada de adrenalina, dois jovens negros em um encontro marcado via aplicativo acabam parados por uma abordagem policial violenta. O casal reage e o policial leva um tiro. De desconhecidos, os dois se tornam cúmplices em fuga. Na jornada, eles passam por cenários e outros personagens que aprofundam o drama racial em questão, numa ácida alegoria moderna sobre a fuga de escravos no século XIX. 

Continua após a publicidade

O Expresso da Meia-Noite (1978)

O filme de ação clássico de Alan Parker com roteiro de Oliver Stone conta a história real de um jovem estudante americano que, nos anos 70, foi preso no aeroporto de Istambul, na Turquia, portando drogas. Condenado a 30 anos de prisão, ele precisa fugir e pegar o expresso da meia-noite para poder voltar aos Estados Unidos. Criticado e elogiado na mesma proporção, o filme polêmico prende e levanta questionamentos difíceis de serem respondidos. 

Continua após a publicidade

Emma (2020)

Baseado no livro de mesmo nome da autora Jane Austen, o filme traz Anya Taylor-Joy na pele da protagonista casamenteira, que tenta arranjar um marido de boa reputação e posses para uma nova amiga que acaba de se mudar para perto de sua residência. Fiel à acidez e ao bom humor do livro, o filme alfineta os valores burgueses atrelados às relações humanas no século XIX – e que, claro, se refletem nos dias de hoje.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.