Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Dúvidas Universais Por Duda Teixeira Os fatos internacionais que desafiam a lógica e o bom-senso explicados de maneira clara e atraente. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Por que os ingleses dirigem na contramão?

Na época do Império Romano, andar pela esquerda era mais seguro

Por Duda Teixeira Atualizado em 28 set 2018, 16h00 - Publicado em 16 dez 2017, 07h27

Em um de cada três países do mundo, os carros andam na faixa da esquerda e a direção fica do lado direito do veículo. Quase todos eles foram colônias da Inglaterra.

Uma  história que circula na internet e na boca das pessoas diz que, na época em que a Grã-Bretanha estava sob o domínio dos romanos, as estradas usadas pelos ingleses eram perigosas.

Para se defender, eles deixavam a espada perto da mão direita, já que a maioria era destra. Assim, quando viam alguém vindo no sentido contrário, o mais seguro era encostar do lado esquerdo e deixar o estranho passar pela direita. Se surgisse algum imprevisto, era só se defender com a direita.

“É provável que os britânicos antigos andassem do lado esquerdo porque os romanos faziam isso e os soldados também marchavam pela esquerda”, diz o historiador canadense David Ross, um apaixonado pela história da Inglaterra e editor do site Britain Express.

O comportamento seria similar ao dos duelos de cavaleiros, que carregavam as lanças na mão direita e se enfrentavam frente a frente.

Continua após a publicidade

Outra possível explicação para isso pode estar na forma como se monta um cavalo. O mais comum é subir pelo lado esquerdo do animal, passando o pé direito por cima da sela. Como ninguém faria isso no meio de uma estrada movimentada, o mais natural seria fazer isso à margem do caminho, olhando para ele. Assim, subindo pela esquerda do cavalo o mais fácil é andar com ele para a esquerda.

Alguns historiadores contestam esta explicação. “Por que eles deveriam andar de um lado só?”, pergunta o Mike Bishop, autor de vários livros sobre estradas romanas na Inglaterra. Bishop recomenda que se repare no movimento de pedestres em uma calçada movimentada, em que as pessoas tendem a seguir fluxos de gente, andando em filas, mas sem qualquer orientação. “Por que as estradas romanas deveriam funcionar de outro jeito?”, indaga.

A razão para que a maior parte do mundo ande do lado direito vem de uma decisão de 1794 do imperador francês Napoleão Bonaparte, que chegou a conquistar metade da Europa. Como os ingleses não se curvaram a ele, continuaram seguindo pela esquerda.

Nas escadas rolantes, os ingleses compartilham a regra de que quem não está a fim de subir os degraus movimentando os músculos deve ficar do lado direito. No metrô londrino, há placas dizendo “keep right” (mantenha-se à direita). No metrô de São Paulo, a regra é a mesma, mas o conselho é diferente: “deixe a esquerda livre”. Alguns especulam que há uma orientação política por trás disso. Se tal preferência alguma vez existiu, seria impossível provar tal coisa.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês