Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Dora Kramer Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Ilusão de ótica

Lula é o primeiro a saber que a estrada para 2022 é longa e o caminho repleto de percalços

Por Dora Kramer Atualizado em 27 ago 2021, 11h17 - Publicado em 27 ago 2021, 06h00

Quando Luiz Inácio da Silva diz, como disse dia desses, que não quer conversa com os militares e com eles só falará na condição de “chefe” quando (acrescente-se, e se) for eleito, não está sendo impertinente. Está sendo realista, pois quem não quer conversa com ele agora são os militares.

Pelo visto, o ex-presidente recebeu algum tipo de recado nesse sentido, pois até duas semanas atrás as Forças Armadas estavam na lista dos petistas como um obstáculo difícil, mas não de todo intransponível.

Do mesmo rol de resistências a serem vencidas constam — e a esses setores Lula não emitiu sinal algum de desistência — os evangélicos, boa parte do empresariado, o alto escalão dos negócios do campo e, claro, os adversários políticos; tanto os tradicionais quanto aqueles a serem resgatados da aliança firmada com Jair Bolsonaro em 2018.

As pesquisas de intenção de votos para 2022 mostram o petista com vantagens cujo retrato é de vitória antecipada. Nelas, Lula tem praticamente o dobro dos índices de Bolsonaro, chegando, em algumas, a obter dianteira suficiente para vencer no primeiro turno.

Isso se a eleição fosse hoje. Ocorre, porém, que não é. Além de faltar pouco mais de um ano para a data da disputa que não se ganha de véspera, as aparências são travessas e às vezes dificultam a percepção e a compreensão objetiva dos fatos.

Nessa armadilha da ilusão não caem os articuladores mais experientes da campanha, sendo Lula o primeiro a saber que a estrada é longa e o caminho repleto de percalços. Então, que não se tome como real o triunfalismo aparente. No bastidor, a palavra de ordem é trabalho duro aliado a uma dose oceânica de torcida.

No campo da esperança, a nação petista direciona sua energia para dois desejos: que a candidatura de Jair Bolsonaro à reeleição não venha a derreter a ponto de fazê-lo desistir de concorrer e que não vinguem as candidaturas ditas de centro. Hoje elas são alvo de descrédito, frequentam o limbo e a expectativa no PT é que assim permaneçam.

“Apesar da vantagem nas pesquisas, Lula ainda precisa transpor muitos obstáculos rumo a 2022”

Continua após a publicidade

Inesquecível uma frase que ouvi de um ex-ministro do partido, sob o compromisso do anonimato, nos primeiros meses do atual governo: “A nossa sorte é que foi Bolsonaro o eleito”. Ou seja, o presidente é desde o início visto como o contraponto ideal. Mal comparando, uma espécie de bode na sala, cuja presença torna menores os demais males.

A veemência com que integrantes do alto comando petista propagam a inviabilidade do surgimento de outras candidaturas que possam atrair o eleitorado não leva em conta a volatilidade do ambiente político e, assim, dá a medida do temor de que isso aconteça.

“Não tem volta, o quadro está consolidado”, diz um dos principais encarregados de firmar alianças para Lula no Rio de Janeiro. Sustenta a afirmação nos dados das pesquisas. Pois bem, se isso realmente bastasse, se fosse tido como projeção real para 2022, seria de se esperar que os rios da política estivessem correndo para desaguar no mar do PT. Não é o que se vê.

O ex-presidente tem percorrido o país em conversas políticas num esforço condizente com quem pretende “adensar o entorno”, mas até agora colecionou mais fotografias que apoios. Esteve com Cid Gomes (PDT), Tasso Jereissati (PSDB), Rodrigo Maia (sem partido), Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Gilberto Kassab (PSD) e o prefeito do Recife, João Campos (PSB).

Nenhum deles tomou a iniciativa, todos os encontros aconteceram a convite de Lula. Isso para evidenciar de onde partiu o interesse. Não obstante a cordialidade das fotos, os interlocutores por ora encontram-se quase todos comprometidos com outros projetos. Os tucanos envolvidos nas prévias do partido, um deles (Tasso) postulante à candidatura; Maia já integrado à equipe do governador João Doria, candidatíssimo; o cearense Cid na campanha do irmão Ciro, e Kassab empenhado na busca de tornar o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, um pretendente viável.

Tudo isso pode mudar ao longo do processo? Sem dúvida alguma. Bolsonaro pode se fortalecer eleitoralmente ou se enfraquecer ainda mais, a chamada terceira via pode deslanchar ou mesmo não sair de onde está, permitindo a Lula se consolidar, voltar à Presidência e cumprir o vaticínio de falar aos militares na condição de “chefe”.

Só não se pode é dar como carta marcada uma situação que independe de vontades. Antes, está sujeita à evolução do espírito do tempo e suas circunstâncias.

Os textos dos colunistas não refletem, necessariamente, a opinião de VEJA

Publicado em VEJA de 1 de setembro de 2021, edição nº 2753

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês