Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Conta-gotas

Por Diogo Sponchiato
Pequenos diálogos para desbravar grandes obras & ideias − e cuidar melhor de si e do mundo
Continua após publicidade

Unir conhecimentos para entender e atravessar os desafios do Antropoceno

Professor apresenta um painel de como as ciências lidam com esse conceito - o de uma época em que o homem é a maior força a moldar o ambiente e a Terra

Por Diogo Sponchiato Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 13 Maio 2024, 21h24 - Publicado em 4 set 2023, 10h07

Uma das palavras que mais ganharam as páginas dos periódicos acadêmicos e do noticiário global nos últimos anos foi Antropoceno. O termo nomeia uma Época geológica em que a humanidade se tornou o principal fator de mudanças e influências no planeta. Muito além do campo das Geociências, a expressão é corriqueira quando se fala em mudanças climáticas, sustentabilidade e risco de novas epidemias.

De forma um tanto simplista, podemos dizer que o Antropoceno batiza estes tempos em que o homem se tornou a maior força a moldar o ambiente e a colher as consequências disso. Mas estamos diante de um conceito e de um fenômeno bem mais complexos – que ainda têm de confrontar bandeiras negacionistas e fake news.

Complexidade, aliás, é como foi denominado um recente ramo da ciência que, na confluência de disciplinas, busca dar respostas a questões intrincadas por natureza… e que demandam uma intersecção de pontos de vista para serem mais bem compreendidas, encaminhadas e resolvidas.

Ela é uma das novas áreas do conhecimento, ao lado de matérias mais clássicas e independentes, em que se debruça o professor José Eli da Veiga em O Antropoceno e as Humanidades (Editora 34).

Continua após a publicidade

A obra examina como uma série de campos científicos, alguns deles bebendo de modelos multi e transdisciplinares, enxerga e dialoga com o conceito de uma época que, para o bem e para o mal, está nas mãos da humanidade, além de resgatar pensadores capazes de iluminar as pesquisas e os debates em curso, a começar por Charles Darwin.

Trata-se de uma discussão quente com desmembramentos epistemológicos e repercussões na vida real – haja vista as recentes ondas de calor a sufocar o planeta. E que demanda uma conversa maior entre as áreas do conhecimento (ou, para usar a velha divisão, entre as ciências exatas, as humanas e as da vida) a fim de encontrar soluções factíveis aos desafios à vista – algo que, na visão do professor do Instituto de Estudos Avançados da USP, ainda está longe da realidade.

O Antropoceno e as Humanidades

antropoceno

Continua após a publicidade

Com a palavra, o autor.

O senhor acredita que, após eventos como a pandemia de Covid-19 e as recentes ondas de calor pelo mundo, o conceito de Antropoceno está se solidificando e se consagrando em meio à sociedade? Quais as principais resistências a essa concepção? 

É muito importante distinguir “conceito” e “noção”. O conceito científico de Antropoceno só é dominado por um ínfimo número de pesquisadores, principalmente das Geociências. E isso não mudará tão cedo. Mesmo entre estes, que dominam o conceito, ainda há, sim, resistências. Mas elas se referem aos critérios técnicos exigidos para a delimitação e datação de uma “Época” [geológica]. Não existem resistências à proposição de que o conjunto das atividades humanas possa se tornar o principal vetor das alterações do que chamam de “Sistema Terra”.

Continua após a publicidade

Porém, coisa bem diferente é a percepção da opinião pública com a divulgação da ideia de que estaríamos numa nova Época, batizada de Antropoceno. Neste âmbito, duas observações são fundamentais. A primeira é que a esmagadora maioria dos que concluíram o ensino médio não lembra, ou nem aprendeu, os rudimentos da escala do tempo geológico. Diante do termo “Antropoceno”, não chegam a entender sua importância. A segunda é que, certamente, ainda estamos muito longe de qualquer “solidificação” ou “consagração” do próprio termo. Nem noções correlatas muito mais próximas – como, por exemplo, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 – chegaram à metade da população brasileira.

Professor José Eli da Veiga é colunista do Jornal da USP (Jornal.usp.br). Instituto de Estudos Avançados (IEA). Professor do Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA). 2023/02/01 Foto: Marcos Santos/USP Imagens
(Foto: Marcos Santos/Reprodução)

Darwin é personagem central no seu livro. Apesar das deturpações e omissões na obra do pensador inglês ao longo das décadas, algo para o qual o senhor chama a atenção, em que medida suas noções e visões permanecem atuais para entender e lidar com os desafios ambientais e sociais dos nossos tempos?

Darwin permanece absolutamente atual. A rigor, seu pensamento ainda precisará ser descoberto, pois os darwinistas criaram imensa confusão, com ruminações restritas à sua obra mais famosa, A Origem das Espécies, de 1859. Livro que, propositalmente, excluiu a espécie humana.

Porém, tão importante quanto ele é, no mínimo, uma outra obra, só publicada doze anos depois, que continua tão discriminada que nem sequer seu título – The Descent of Man – foi corretamente traduzido nas línguas latinas. Recentemente, isso foi corrigido no idioma francês, passando a ser o equivalente a A Filiação do Homem (em vez de “A Origem do Homem”). Só a conexão entre essas duas obras-primas permitirá uma razoável compreensão do pensamento de Darwin.

O que meu livro sugere é que tal descoberta do rigoroso pensamento darwiniano talvez possa vir a ter crucial impacto sobre o que tem sido chamado de “Ciências da Complexidade”, que constituem a principal fronteira científica deste século, especialmente em termos epistemológicos.

Continua após a publicidade

Das teorias à prática, o que passa pela elaboração e aplicação de políticas públicas mais efetivas, acredita que uma das chaves para enfrentar as mudanças climáticas e suas repercussões resida numa aproximação ainda maior entre as ciências humanas e as da vida, isto é, em encurtar ou eliminar o fosso entre as áreas do conhecimento?

Será ótimo se tal fosso puder ser encurtado. Mas não parece haver evidências de que tal aproximação esteja realmente ocorrendo. Uma coisa é poder apontar e elogiar alguns brilhantes polímatas, que mostram ter muito domínio sobre os dois grandes campos do conhecimento. Outra, bem diferente, é achar que tais campos estejam realmente se aproximando. Uma grande esperança está sendo trazida pelos mais recentes estudos sobre a “Complexidade”, mas a conclusão de minha pesquisa é que estes ainda formam uma imensa Torre de Babel.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.