Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Coluna da Lucília Por Lucília Diniz Um espaço para discutir bem estar, alimentação saudável e inovação

Quaresma ucraniana

A delicada arte eslava de pintar ovos como contraponto à guerra

Por Lucilia Diniz Atualizado em 4 mar 2022, 16h22 - Publicado em 4 mar 2022, 06h00

A Quaresma recém-iniciada é um tempo de reflexão. Neste ano, será um intervalo de quarenta dias entre um Carnaval que não houve e uma Páscoa que as incertezas atuais tornam ainda mais necessária. É um tempo em que somos convidados a pensar sobre o sentido da vida, a perdoar, a afastar o ódio eventual de nossos corações, um tempo para nos voltarmos à família, para exercermos a fraternidade. É especialmente cruel, portanto, que a violência que engolfou a Ucrânia tenha se manifestado como uma triste ironia, justamente neste hiato em que deveríamos estar comemorando a fé na humanidade.

Deixo os aspectos militares da guerra para os especialistas em geopolítica. O que me interessa é o ser humano tragado repentinamente pelo drama, que, sendo coletivo, é também individual, na medida em que se trata da soma de tragédias pessoais. Na reportagem da TV, um pai toca a janela do ônibus que levará a filha pequena a um destino mais seguro, enquanto ele se prepara para resistir. Lá dentro, a menina se despede, fazendo o gesto de quem quer alcançar o inalcançável — a mão protetora. Entre eles, o vidro gelado como um coração desamparado é a metáfora perfeita do poder destrutivo que só o homem, entre todos os animais, é capaz de infligir a seus semelhantes.

“O que me interessa é o ser humano tragado repentinamente pelo drama, individual e coletivo”

Pois esse pai e essa criança deveriam estar em casa, junto a outros membros da família, cuidando de coisas mais importantes — como a confecção de “pêssankas”. Aqui no Brasil muita gente já pintou, e ainda pinta, casca de ovo, sem se dar conta de que essa tradição eslava é tão cara aos ucranianos. Embora a palavra nunca tenha sido acolhida por nossos dicionários, a arte é conhecida. É um artesanato delicado por natureza, a começar pelo suporte físico, pois o ovo pode trincar como um sonho interrompido. Mais importante, no entanto, é a simbologia de vida, prosperidade e saúde encerrada naquela casca colorida e frágil.

As “pêssankas” remetem à gangorra da história do povo da região, que alterna momentos de liberdade e de perseguição. Desde épocas imemoriais, os ovos eslavos pintados eram alimentos da alma, dignos de serem presenteados às mais elevadas divindades. Mais tarde, com o cristianismo, passaram a representar o espírito da Páscoa. Durante o regime comunista, a alegria retratada nas finas cascas foi esmagada sob coturnos ateus e insensíveis. A tradição voltou a florescer após o fim do império soviético e a independência da Ucrânia para ser, agora, mais uma vez ameaçada. Mãos habilidosas de mulheres, que nestes dias deveriam estar dedicadas à produção de “pêssankas”, estão ocupadas demais em fabricar coquetéis molotov, aquelas bombas caseiras incendiárias cujo clarão serve mais para denunciar ao mundo uma agressão do que para deter o poderio dos tanques inimigos.

Quem conhece a tradição diz que as “pêssankas” não são apenas ovos pintados. São também ovos “escritos”, termo que estaria presente em sua origem etimológica. As imagens e as palavras são variadas, mas a mensagem é uma só: a saudação ao renascimento. De Cristo, sim, mas também da vida em geral. Nesta quaresma, uma criança ucraniana a salvo em alguma cidadezinha do interior do país haverá de pintar um ovo que celebrará o renascimento da esperança.

Publicado em VEJA de 9 de março de 2022, edição nº 2779

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês