Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Coluna da Lucilia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Lucilia Diniz
Um espaço para discutir bem estar, alimentação saudável e inovação
Continua após publicidade

Proteínas para todos

Alimentos ricos delas ajudam a elevar a boa saúde da população

Por Lucilia Diniz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 25 nov 2022, 12h39 - Publicado em 25 nov 2022, 06h00

Como muita gente, acompanhei pela TV o discurso do presidente eleito na noite de domingo, 30 de outubro deste ano, assim que foi confirmada a sua vitória na eleição presidencial. Independente de simpatias partidárias ou de convicções ideológicas, é importante conhecer as prioridades de nossos representantes políticos. Um pequeno trecho da mensagem lida pelo vencedor do pleito me chamou a atenção: o compromisso de garantir a todos os brasileiros as “calorias e proteínas” necessárias para que ninguém mais passe fome no país. De maneira inesperada, as proteínas eram alçadas naquele momento a protagonistas da política de alimentação do próximo governo.

A escolha de palavras — e de nutriente — me pareceu surpreendente. Afinal, os alimentos geralmente associados ao combate à fome são ricos em carboidratos, e não em proteínas. É o caso do pão, símbolo tradicional da alimentação, ao qual se atribui a capacidade de saciar necessidades do corpo e do espírito. Ao repartir o pão, nos diz a tradição cristã, nos aproximamos de Deus e de quem recebe o pedaço ofertado. É o caso também do arroz com feijão, combinação rica em carboidratos que confere unidade à culinária nacional, da feijoada ao baião de dois.

“Há quem dê às proteínas o epíteto de ‘tijolos da vida’, uma vez que são fundamentais da infância à velhice”

Há no fundo razões econômicas e biológicas para que os alimentos com abundância de carboidratos sejam os representantes por excelência da nutrição. É que são em geral mais baratos e mais disponíveis. São também de digestão mais fácil, convertendo-se rapidamente nas calorias necessárias ao consumo energético imediato de cada pessoa. As proteínas, em contrapartida, além de serem abundantes em alimentos relativamente mais caros, como a carne, são uma espécie de investimento de longo prazo. Estão mais do lado da poupança do que do consumo.

Continua após a publicidade

Há quem dê às proteínas o epíteto de “tijolos da vida”. Precisamos delas para construir, manter e reparar boa parte dos tecidos do organismo, em particular músculos e ossos. Quem quer ficar forte, ganhar massa muscular, precisa consumi-las em grande quantidade. As crianças, em fase de crescimento, também. E não podemos nos esquecer dos idosos: à medida que envelhecemos, é preciso aumentar o consumo de proteínas, já que a sua absorção pelo corpo se torna mais difícil com o passar da idade.

Como a proteína precisa de mais tempo para ser digerida, ela permite conciliar a sensação de saciedade e um consumo relativamente baixo de calorias. Não espanta que algumas dietas, como a do dr. Atkins, que ganhou popularidade nos anos 1970, preconizem o corte de alimentos ricos em carboidratos, como pães e massas, e o consumo de carnes, sobretudo. Mas é preciso cuidado. A ingestão excessiva de proteínas também pode ser prejudicial à saúde. Entre os malefícios desse tipo de dieta destaca-se o aumento do risco de doenças cardiovasculares. Que o diga o próprio dr. Atkins, que aos 72 anos, depois de uma vida à base de proteínas e gorduras, sofreu um infarto. Claro que esse tipo de mazela não aflige os beneficiários do louvável programa de combate à pobreza do futuro governo. Nossos problemas, infelizmente, ainda são de carência, e não de excesso.

Publicado em VEJA de 30 de novembro de 2022, edição nº 2817

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.