Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Coluna da Lucilia Por Lucilia Diniz Um espaço para discutir bem estar, alimentação saudável e inovação

O descuido da cigarra

Como na fábula, uma vida melhor requer consciência e atitude

Por Lucilia Diniz Atualizado em 19 Maio 2022, 20h35 - Publicado em 19 Maio 2022, 17h40

É muito fácil tomarmos uma decisão que tornará nossa vida melhor. Temos as informações confiáveis, os bons exemplos em que podemos nos mirar e até as evidências científicas trabalhando a nosso favor. Alguns planos pessoais são recorrentes. Acordar mais cedo para ter tempo de começar o dia com um exercício que irá nos colocar no prumo para uma jornada produtiva. Não mais perder horas a fio na frente de uma telinha hipnotizante que nos afasta do mundo real. Optar por uma dieta saudável, pobre em gorduras e rica em nutrientes. O senso comum aponta que iniciativas como essas proporcionam bem-estar e ganhos consideráveis, sobretudo a médio prazo, quando seus efeitos são plenamente sentidos. O problema, com frequência, é implementar o que se decidiu fazer. Por isso, costuma-se deixar o início da nova fase para amanhã ou depois de amanhã ou a próxima segunda-feira.

Notei mais uma vez essa discrepância entre o que queremos fazer e o que de fato acabamos fazendo – ou não fazendo – ao tomar conhecimento de projeções que mostram a forte tendência de alta na porcentagem de brasileiros que sofrem de obesidade, uma condição que provoca maior incidência de diabetes e hipertensão. Em 2006, quando a World Obesity Federation realizou o primeiro levantamento do gênero, 12% dos adultos estavam muito acima do peso ideal. Hoje são 22% e em 2030, a continuar nesse ritmo, o país vai encostar na marca alarmante de quase um terço de sua população adulta.

Ora, esse quadro não está em sintonia com a mudança de hábitos que identificamos em reportagens da imprensa ou postagens nas redes sociais. A impressão que se tem, a partir desses relatos, é que há um movimento geral em curso em direção a uma alimentação adequada, o que levaria a uma redução do número de pessoas obesas. Se tal impressão não corresponde à realidade só pode ser porque os bons planos pessoais alardeados em público não estão sendo devidamente executados.

Ninguém precisa se culpar por não levar adiante, com firmeza e determinação, um plano que se propôs a cumprir. Mas é bom entender o que se passa em nossa mente – até para poder mudar. A negligência com o futuro é demasiadamente humana. Como a biologia explica, há uma região do cérebro que induz à sensatez e outra que instiga o prazer. O córtex pré-frontal e o sistema límbico se digladiam sem parar. De um lado, há um apelo para tentarmos maximizar o prazer desfrutado no presente, mesmo que isso tenha um preço elevado em termos de saúde. De outro, sabemos que o certo muitas vezes é retardar a recompensa. Sim, temos dentro de nós um pouco da formiga e da cigarra da fábula de Esopo, mais conhecida na versão de La Fontaine. Queremos nos manter seguros no inverno, mas sem deixar de cantar no verão.

Com a expectativa de vida cada vez mais longeva, no entanto, não podemos perder de vista que o custo de antecipar um prazer – consumindo açúcar e gordura, por exemplo – será cada vez maior. Não basta antever o futuro que se deseja. É preciso definir uma estratégia e implementá-la. Mais importante é não desistir: para cada recaída, uma retomada – de preferência, a partir de hoje.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)