Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Coluna da Lucilia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Lucilia Diniz
Um espaço para discutir bem estar, alimentação saudável e inovação
Continua após publicidade

A revolta do estresse

Por que o corpo resiste no momento de descanso?

Por Lucilia Diniz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 19 jan 2024, 11h59 - Publicado em 19 jan 2024, 06h00

“É só parar que tudo vem.” Quantas vezes você já ouviu, ou disse, uma variante dessa frase? É só chegar aquela semana de descanso que, com ela, chegam também uma dor aqui, uns espirros ali, uma queda de pressão ou aquela moleza. No fim de ano, um conhecido meu passou por isso. Na hora de fechar as malas para viajar, febre alta. A bateria de exames às pressas para descartar Covid e outros contágios não encontrou nada. Só alguns dias depois, já no destino escolhido para o réveillon, o corpo entendeu que podia, sim, descansar.

Estimulado pelos hormônios que produz para lidar com o estresse, o corpo não sabe como reagir quando para. A resposta, muitas vezes, é um mal-estar súbito e, aparentemente, sem explicação. A ciência já estuda esse fenômeno há alguns anos. Em 2001, um pesquisador holandês, Ad Vingerhoets, já falava em “síndrome do lazer”. Mas ela se tornou tão comum que, em inglês, ganhou um apelido. É o let down effect. O nome é curioso e inteligente, porque sugere mais de um significado — e cada um deles permite um ponto de vista diferente sobre a questão.

“Se você não conseguiu desacelerar antes de parar, talvez o melhor seja mesmo não parar”

No dicionário, o primeiro sentido de let down é decepcionar. É como se, diante da mudança repentina de ritmo, o corpo, decepcionado, não soubesse como lidar e se queixasse: “O que eu faço com toda a adrenalina e o cortisol que joguei na sua corrente sanguínea para você dar conta de tudo?”. O que o corpo faz é pedir cama. Quando um veículo em velocidade máxima tem de brecar, a inércia faz com que ele continue em movimento por uns metros. E aí pode acontecer um acidente. Da mesma forma, o corpo frenético, ao ver toda a atividade cortada, sofre uma espécie de bug. No caso, a “freada brusca” é o segundo sentido de let down: relaxamento.

Continua após a publicidade

Seguindo nessa metáfora, a saída pode vir do que fazemos quando estamos de fato dirigindo um carro: desacelerar antes de frear. O ideal seria não bater com ímpeto total no portão de embarque, mas ir diminuindo o ritmo nos dias prévios à parada total. E não só do mundo das máquinas e engrenagens vêm os sinais. Mesmo a natureza alterna seus ritmos; como dizem os versos de Octavio Paz, até “o sol dorme, e a luz descansa / sobre a curva do dia”. Porém nem sempre é possível “programar” essa desaceleração como definimos, na agenda, uma parada para descansar. O mais comum é fazer tudo na última semana. O que o let down sugere é que seria bom, além de manter alimentação, sono e exercícios na rotina, espaçar os compromissos e reservar pequenas doses de relaxamento.

Ironias da língua, o mesmo termo que descreve o problema traz embutida uma outra solução. Let down também significa “permitir uma descida gradual”. É o avião se aproximando da pista de pouso suavemente. Portanto, se você não conseguiu desacelerar antes de parar, talvez o melhor seja mesmo não parar. Ao menos, não de uma vez. Nos primeiros dias de descanso, exercícios curtos e regulares — uma caminhada, uma corrida de poucos minutos — podem dar uso aos hormônios que, em excesso, sobrecarregam o sistema. Exercitar a mente também ajuda, e nisso valem quebra-cabeças, palavras cruzadas e similares. Não decepcione seu corpo. Coloque o descanso como um objetivo, não como uma boia de resgate.

Publicado em VEJA de 19 de janeiro de 2024, edição nº 2876

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.