Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Claudio Lottenberg Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Mestre e doutor em Oftalmologia pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp), é presidente institucional do Instituto Coalizão Saúde e do conselho do Hospital Albert Einstein
Continua após publicidade

Estudos mostram ligação entre doenças oculares e sintomas depressivos

Cuidar da saúde dos olhos é uma contribuição para que se possa, quando chegar a idade – como escreveu Ray Bradbury –, 'encher os olhos de admiração'

Por Claudio Lottenberg
30 set 2022, 10h31

A idade pode levar as pessoas a se sentirem fragilizadas e mais vulneráveis, principalmente nos casos em que eventuais más condições de saúde imponham limitações. A pessoa sente que perde sua independência. Isso – essa sensação de vulnerabilidade aumentada – pode mesmo evoluir para um quadro de depressão. No que se refere à saúde ocular, isso já foi verificado em estudo, publicado na NIH (Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA).

Esse estudo avaliou 584 pessoas com idades a partir de 65 anos, com perda de visão recente. O objetivo era examinar fatores de risco de depressão entre idosos que buscavam reabilitação para deficiência visual relacionada à idade. O levantamento detectou que 7% dos entrevistados tinham um quadro depressivo mais acentuado, e outros 26,9%, de uma depressão subliminar. Entre os fatores apontados na pesquisa apontados como significativos para depressão subliminar, não por acaso, estavam justamente: autoavaliação de saúde ruim; sensação de menos apoio social; sentimento de perda de eficiência.

Outra pesquisa, publicada pela revista Ophtalmology (da AAO – Academia Americana de Oftalmologia, na sigla em inglês), examinou 188 pacientes com DMRI (Degeneração Macular Relacionada à Idade) e sintomas depressivos. Esta também mostrou que uma parcela dos indivíduos examinados desenvolveu transtorno depressivo. Uma intervenção integrando saúde mental e visão subnormal reduziu a incidência desses transtornos. “Promover interações entre oftalmologia, optometria, reabilitação, psiquiatria e psicologia comportamental pode prevenir a depressão nessa população”, diz o estudo.

A DMRI afeta a mácula (que é a região central da retina, onde se forma a imagem), o que prejudica a visão central. Com apenas a visão periférica, executar praticamente qualquer tarefa diária corriqueira se torna um desafio, que piora com a evolução da doença. Além da idade como fator de risco, também pesam sedentarismo, hipertensão e obesidade. Junte-se a isso o fato de que a visita ao oftalmologista não costuma ser muito frequente pelos brasileiros – como mostrou um levantamento feito pelo Datafolha e publicado em agosto: cerca de 25% não se consultam com profissionais com regularidade. Sem cuidar da visão ao longo da vida, quando a idade chega os problemas se apresentam e, não raro, evoluem rápido. Uma outra pesquisa, realizada pelo IBOPE DTM a pedido da alemã Bayer, também evidenciou isso: uma grande parcela das pessoas de 55 anos de idade ou mais sequer ouviu falar de DMRI.

Em um mundo e um tempo em que um volume maciço e crescente de conteúdos – informação, comunicação, entretenimento etc. – nos chegam pelos olhos, devido à irreversível integração dos dispositivos digitais a praticamente tudo que fazemos, a saúde ocular tem de figurar entre as nossas preocupações. Até porque a idade chega para todos nós, e, como os estudos mostram, problemas de visão acabam afetando a saúde mental. E esta, entre os idosos, tem gerado um efeito profundamente perturbador: estudo com base em dados do SIM (Sistema de Informações sobre Mortalidade) e do Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação) mostra que a taxa de brasileiros acima dos 60 anos que tiraram a própria vida saltou de 6,8 a cada 100 mil habitantes em 2010 para 7,8 em 2019. Cuidar da saúde dos olhos é uma contribuição para que se possa, quando chegar a idade – como escreveu Ray Bradbury, em “Fahrenheit 451” –, “encher os olhos de admiração” e ver o mundo – que “é mais fantástico do que qualquer sonho que se possa produzir nas fábricas”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.