Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
. Claudio Moura Castro Por Claudio Moura Castro

O protocolo da medicina

A ciência sempre conviveu com imperfeições e ceticismo

Por Claudio Moura Castro Atualizado em 1 Maio 2020, 09h28 - Publicado em 30 abr 2020, 19h00

Na evolução das proezas do Homo sapiens, a ciência é um bebê. Os gregos observaram a natureza e formularam hipóteses engenhosas. Mas não juntaram uma coisa com a outra. A medicina tradicional — incluindo a chinesa — sempre parou nas boas intuições. Mas a ciência cresceu e só foi entendida ao casar a teoria com a prática: imagine suas ideias, porém nada feito sem confrontá-las sistematicamente com o mundo real.

No século XIX, surgiram avanços médicos apoiados em números. Semmel­weiss verificou que, nas enfermarias onde se lavavam as mãos, as fatalidades no parto eram menos numerosas. O epidemiologista inglês John Snow (1813-1858) marcou no mapa onde moravam as pessoas que haviam morrido de febre tifoide. Na física, soltando-se um frasco de hidroxicloroquina de um 3º andar, seja em Pisa, seja em Wuhan, ele leva o mesmo tempo para espatifar-se no solo. Por isso Galileu precisou de poucas observações para formular a lei da queda dos corpos. Mas nas áreas sociais e na medicina tantas variáveis influenciam os resultados que as regularidades só se tornam visíveis nos grandes números. Daí o reinado da estatística inferencial e da epidemiologia.

Com os avanços metodológicos, tornou-se inaceitável prescrever um fármaco que não cumprisse um elaborado protocolo de testes. Análise de variância, duplo-cego, randomização, grupos de controle são os mantras sagrados dessa nova ortodoxia. Lá pelos anos 1970, a medicina baseada em evidência vira o credo oficial.

“Como cidadãos, cabe-nos separar os fatos das ambiguidades malévolas”

Com o atrevido coronavírus, exuma-se uma polarização que parecia enterrada. O vírus é danadinho, e os remédios sugeridos não foram devidamente testados. Há evidência, porém é solta e desencontrada, como é o caso da hidroxicloroquina. Criou-se um impasse. Os que a recomendam não estão mais mal servidos de certezas do que na medicina do passado. Mas não é ilegítimo o ceticismo de quem prefere esperar por provas mais confiáveis.

Comissões de ética se enfurecem com as falhas metodológicas de alguns testes. Mas a ciência sempre conviveu com informações incompletas e sujeitas a erros. Se os dados são imperfeitos, conta a convergência de resultados.

Há duas agendas latentes na brigalhada. De um lado, o purismo daqueles aferrados aos protocolos dos testes e ao juramento de Hipócrates (nunca causar danos). No outro lado, estão os médicos da “trincheira”. Tentemos tudo. Se parece funcionar, por que não? Aliás, eles próprios tomam o contestado remédio. Alinhar-se com um ou outro lado não é uma decisão puramente científica. São riscos comparados com riscos. E o peso da morte, do sofrimento e da bancarrota tem valores diferentes para cada um.

Há também a agenda política, necessária, mas sujeita a escorregões. Cada lado defende as ideias que lhe convêm. Tampouco aos cientistas não faltam crenças e preconceitos. O campo é minado. Há controvérsias legítimas entre os profissionais da saúde. Há o uso oportunista dessas discrepâncias. Há também um vulcão de palpites desencontrados nas redes sociais. Como cidadãos, cabe-nos aprender a separar os fatos das ambiguidades malévolas.

Publicado em VEJA de 6 de maio de 2020, edição nº 2685

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)