Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Clarissa Oliveira Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores

O que faz da pesquisa Datafolha uma enorme pedra no sapato de Bolsonaro

Com previsões frustradas, governo encarou enxurrada de más notícias no período em que o instituto foi a campo

Por Clarissa Oliveira Atualizado em 24 jun 2022, 12h54 - Publicado em 23 jun 2022, 08h34

A nova pesquisa Datafolha, que será divulgada nesta quinta-feira, tem tudo para alimentar a ansiedade das principais campanhas presidenciais. Mas é sem dúvida no time do presidente Jair Bolsonaro que os ânimos estão mais acirrados. Por trás do clima de apreensão, está a enxurrada de más notícias que o governo recebeu nos últimos dias, combinada à frustração das previsões feitas meses atrás pelos aliados do presidente.

+Leia também: As novas perguntas do Datafolha que vão irritar Bolsonaro

Comemorada aos quatro ventos pelos petistas, a última pesquisa feita pelo instituto já vinha sendo alvo de uma campanha de descrédito por parte de bolsonaristas, depois de apontar 21 pontos de frente do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre Bolsonaro. No último levantamento, Lula tinha 48% e Bolsonaro 27%. Ciro Gomes vinha em seguida com 7%, à frente de André Janones e Simone Tebet, com 2% cada.

A tendência, hoje, é que a retórica bolsonarista contra o instituto ganhe em força e agressividade. O Datafolha foi a campo em meio à repercussão das mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips na Amazônia. As intenções de voto foram medidas no mesmo dia da prisão do ex-ministro Milton Ribeiro, por conta da farra dos pastores evangélicos no MEC. Sem contar que a pesquisa considera um período marcado por um novo aumento no preço dos combustíveis.

Como se não bastasse essa lista, os números registrados até agora estão muito distantes do que imaginava o time do presidente lá atrás. Quando Bolsonaro começou a ensaiar uma retomada nas pesquisas, integrantes da campanha passaram a projetar  que ele chegaria ao meio do ano próximo de Lula nos levantamentos. A ideia era ultrapassá-lo no início do segundo semestre. E tinha gente perto de Bolsonaro que falava até em vitória no primeiro turno.

Ainda assim, o PT olha com atenção para a pesquisa. O partido comemora a dianteira e avalia que uma ampla vantagem pode ajudar Lula na tarefa de se firmar junto ao eleitor do centro. Mas há na campanha quem defenda que é preciso laçar os que rejeitam Bolsonaro antes que olhem com atenção para outra candidatura. Como, por exemplo, a da senadora Simone Tebet (MDB).

No caso de Tebet, a Datafolha de hoje pode ser fundamental para alimentar a esperança de uma mudança no quadro de polarização da corrida presidencial. O time da senadora entende que ela precisa chegar ao primeiro turno com algo próximo de 10% das intenções de voto, para ser vista pelo eleitor como uma alternativa viável. Uma tarefa difícil para quem ainda tinha 2% na última pesquisa.

+Leia mais: Pesquisa mostra a goleada que Bolsonaro está tomando em um Estado decisivo

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)