Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

CannabiZ

Por André Sollitto e Ricardo Amorim
Novidades e reflexões sobre o mercado da cannabis legal, no Brasil e no mundo
Continua após publicidade

Casos de ingestão de balinhas de ‘Cannabis’ por crianças disparam nos EUA

Design atrativo das embalagens tem provocado confusão e os chamados de pais preocupados com intoxicação subiram drasticamente nos últimos anos

Por André Sollitto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jan 2023, 21h36 - Publicado em 4 jan 2023, 18h32

Com as mudanças na legislação relacionada à venda de produtos derivados de Cannabis, os consumidores encontram hoje uma enorme variedade de opções. E entre as alternativas mais populares estão as balinhas de goma, feitas com infusão de substâncias encontradas nas ervas. O problema é que o design atrativo das embalagens e das próprias balinhas está confundindo as crianças, que ingerem os alimento sem saber o que estão comendo.

Um estudo publicado no periódico científico Pediatrics aponta que as ocorrências dispararam nos últimos anos. Em 2017, foram 207 atendimentos feitos por centros médicos de crianças intoxicadas com THC. Em 2021, o número saltou para 3.054 casos. Quase todas as crianças, ou 97%, segundo o levantamento, encontraram os comestíveis em casa.

Os dados foram levantados a partir de mais de 7.000 casos pediátricos reportados ao National Poison Data System, uma base de dados que analisa as ocorrências de envenenamento e intoxicação nos Estados Unidos.

De acordo com a pesquisadora Antonia Nemanich, uma das autoras do estudo, o aumento de 1.375% nos casos se deve a uma combinação de fatores: a maior quantidade de estados que legalizaram o consumo recreativo da maconha e a pandemia, que fez com que as crianças passassem mais tempo em casa.

Continua após a publicidade

Comer muitas balinhas do tipo pode provocar efeitos colaterais sérios em menores, incluindo confusão mental, alucinações, vômito e aceleração da frequência cardíaca. Em casos mais graves, as crianças podem ter dificuldade para respirar e até entrar em coma. “Elas não sabem o que é isso, e não sabem quando parar”, diz Nemanich em entrevista à rede NBC.

Não há motivo para que adultos evitem o consumo, já que todos os produtos disponíveis no mercado passam por um processo de liberação. Especialistas recomendam apenas que os pacotes sejam armazenados corretamente, longe do alcance de crianças.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.