Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Animada com a impunidade, a Turma do Guardanapo transforma disfarce em enfeite

No velho faroeste americano, atores que faziam o papel de bandido usavam lenços para esconder o rosto. Como havia também o chapéu, ficavam expostos apenas os olhos, parte do nariz e centímetros da testa. Não era fácil para o xerife identificar um fora da-lei. No moderno faroeste brasileiro, os bandidos são de verdade e os […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 08h50 - Publicado em 16 Maio 2012, 22h35

No velho faroeste americano, atores que faziam o papel de bandido usavam lenços para esconder o rosto. Como havia também o chapéu, ficavam expostos apenas os olhos, parte do nariz e centímetros da testa. Não era fácil para o xerife identificar um fora da-lei.

No moderno faroeste brasileiro, os bandidos são de verdade e os crimes ocorrem no mundo real, mas ninguém precisa esconder o rosto. Basta caprichar na pose de político ou empresário a serviço da pátria, do PAC e do Protetor dos Pecadores Companheiros, e estará garantida a condenação à perpétua impunidade.

A boa vida sem perigo de cadeia animou o grupo formado por Sérgio Cabral, Fernando Cavendish e meia dúzia de amigos a ressuscitar o pedaço de pano popularizado pelo cinema ─ não para ocultar-se, mas para exibir-se. No festivo encontro em Paris, os passageiros da alegria substituíram o lenço pelo guardanapo, botaram na cabeça o que cobria a face e transformaram em enfeite o que era disfarce.

Antes da aparição da Turma do Guardanapo, mais uma obra da Delta, faltava algum bloco que fundisse a inventividade do País do Carnaval e o descaramento de um Brasil reduzido a sucursal do Clube dos Cafajestes. Agora não falta mais nada.

Continua após a publicidade

Publicidade