Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘Chega’, por Carlos Brickmann

Publicado na coluna de Carlos Brickmann Claro, claro. São manifestantes pacíficos, ordeiros e bem-intencionados; e daí? Daí que as grandes cidades brasileiras não podem ficar reféns de bloqueios diários de trânsito, de entraves ao trabalho e ao lazer, de protestos que, por justos que sejam, já atravancam há quase cinco meses as atividade normais dos […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 05h03 - Publicado em 3 nov 2013, 17h02

Publicado na coluna de Carlos Brickmann

Claro, claro. São manifestantes pacíficos, ordeiros e bem-intencionados; e daí? Daí que as grandes cidades brasileiras não podem ficar reféns de bloqueios diários de trânsito, de entraves ao trabalho e ao lazer, de protestos que, por justos que sejam, já atravancam há quase cinco meses as atividade normais dos cidadãos. E aqui não se fala de mascarados, de black-blocs, seja qual for o seu nome: quem participa de ações violentas e depredações de patrimônio público ou privado está fora da lei e seu direito é apenas a um julgamento justo.

Já houve um bloqueio em São Paulo em apoio aos portuários do Panamá, ou de Porto Rico; há bloqueios contra médicos cubanos, a favor de médicos cubanos, contra a praga que ameaça as plantações de centeio da Moldávia Exterior. Parar uma cidade, ou uma estrada, é fácil: meia dúzia de pessoas espalha meia dúzia de pneus na rua e, com meia dúzia de fósforos, incendeia-se o caminho. Falta pouco para sitiar bairros inteiros como protesto contra o gol anulado pelo juiz quando estava claro que não houve impedimento.

Manifestações existem em todo o mundo democrático. Em Londres, o Hyde Park é área preferencial de protestos, onde quase não há limites para a liberdade de expressão. Mas a cidade continua funcionando. Parar tudo também existe, mas em ocasiões específicas: Buenos Aires, por exemplo, parou para os funerais de Perón. Já parar uma cidade porque alguém tem vontade de quebrar umas vitrines é coisa nossa.

Chega: o cidadão tem de ter no mínimo o direito de ir e vir.

A casa e a família
O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, do PT, agiu mal: multiplicou o IPTU e chegou a demitir um secretário para que reassumisse sua cadeira de vereador e votasse favoravelmente à escorcha. Mas isso não é justificativa para manifestações em frente à sua casa: se alguém quiser protestar contra Maldadd, que o faça em frente à Prefeitura, ou em alguma solenidade ─ ou, melhor ainda, nas urnas, votando contra os candidatos que ele indicar. Mas não em sua casa, não envolvendo sua família, não perturbando seus vizinhos. Civilidade, enfim.

Continua após a publicidade

Questão de ritmo
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, anunciou que os serviços de informações da Polícia Federal e das polícias de São Paulo e do Rio vão investigar em conjunto os manifestantes que agem com violência. Isso significa que só agora, depois de cinco meses de quebra-quebra, Sua Excelência decidiu trabalhar? Que até agora as polícias se recusavam a colaborar umas com as outras? Já que o ritmo é este, o trabalho conjunto poderia começar por uma investigação simples: que é aquele cavalheiro, no Rio, que jogou coquetéis Molotov, correu na direção dos policiais, foi recebido, e reapareceu fardado instantes depois. Tudo foi filmado.

Como é que ele explica seu desempenho? Quem lhe deu ordens? Por que?

Coisas… 
Vários funcionários municipais paulistanos foram detidos por exigir e receber propina, dando aos cofres públicos, ao mesmo tempo, prejuízos que ainda estão sendo calculados, mas podem chegar a meio bilhão de reais. Todos atuaram na administração Gilberto Kassab, ex-DEM, hoje PSD; e um deles, membro de destaque do grupo, foi nomeado para um cargo de confiança pelo prefeito Fernando Haddad, PT. Haddad diz que nomeou o cavalheiro como parte de sua estratégia para evitar que a investigação fosse revelada. Ah, bom: simplesmente deixar o servidor onde estava não era suficiente. Seria preciso promovê-lo, né? Então, tá.

…estranhas… 
Os detidos, informa-se, ameaçavam cobrar impostos altíssimos de quem fazia obras na cidade. Mas, mediante boa compensação, acabavam inscrevendo as obras com impostos bem baixinhos. Mas quem foi beneficiado? Se eles foram corrompidos, quem os corrompeu? Se receberam, quem pagou? É certo que quem pagou tinha condições de fazê-lo.

Será que denunciar quem pagou é perigoso?

…muito estranhas… 
A explicação do procurador da República Rodrigo de Grandis para não ter colaborado com as investigações pedidas pela Suíça a respeito do caso Alstom ─ formação de cartel e pagamento de propina em São Paulo, em obras e equipamentos do Metrô e dos trens metropolitanos ─ é simples: diz que o pedido suíço foi guardado numa pasta errada e por isso, nos três anos que se passaram, ninguém cuidou do caso.

Não é bem assim: houve três ofícios das autoridades brasileiras responsáveis pela recuperação de ativos internacionais desviados, todos olimpicamente ignorados. O fato é que, depois de três anos à espera de providências, os procuradores suíços decidiram arquivar o caso. Apenas como complemento, o caso Alstom é, no fundo, o caso Siemens. Cadê as investigações?

…estranhíssimas
Em São Paulo, o Governo tucano impede a criação de uma CPI na Assembleia. Claro: tanto o caso Alstom quanto o caso Siemens se iniciaram no Governo tucano de Mário Covas e atravessaram os governos tucanos de Alckmin e Serra. Mas a bancada federal petista anunciou há dois meses que tem assinaturas suficientes para criar uma CPI no Congresso. Até agora não a criou. Por que?

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês